Devemos comemorar o dia das bruxas?

Nunca tive o costume de comemorar o dia das bruxas quando criança. Apenas quando cresci e fui para a escola de inglês é que participei de algumas festas consideradas típicas nos EUA, embora seja uma festividade originada dos celtas.

Quando mudei para Alemanha, descobri que aqui as pessoas comemoram também. Nos mercados é possível encontrar fantasias, máscaras, abóboras, enfeites para casa, comidas coloridas e muito mais. Meus filhos tiveram a curiosidade de participar de uma festinha há dois anos atrás.

9e77ce1696ccb5d6167d9a9b0071eddc-halloween-cartoon-girl-witch-costumeFiquei meio com receio. Para os católicos e cristãos, a festa das bruxas é uma festa satânica que cultua os espíritos do mal e maldade. A feitiçaria, o ocultismo, e a adoração do mal são temas que não combinam com o cristianismo. Da mesma forma os cristãos são livres e podem fazer suas escolhas.

Quando fiquei sabendo que a turminha do bairro iria sair andando pela rua fantasiados e pedindo doces e que meus filhos queriam participar de tudo isso, fui buscar um texto que me convencesse a não deixá-los ir. Encontrei este aqui, da jornalista Jurema Aprile:

” Os celtas, um povo que viveu há muito tempo na região onde hoje ficam a Inglaterra, a Escócia e a Irlanda, bem antes do nascimento de Jesus Cristo, comemoravam o Dia de Samhain (pronuncia-se “so-in”) em 31 de outubro. Era o final de um ano e começo de outro, o fim da “temporada do sol” e o começo do frio, quando chegava o inverno e a terra congelava. A data significava também a abertura do portal entre o mundo dos mortos e o dos vivos.

As pessoas acreditavam que nesse dia, as almas dos mortos vinham à procura dos vivos, e tinham muito, muito medo dessa “visita” anual. Daí resolveram se vestir da forma mais estranha possível nessa data, para não parecerem humanos e despistarem os espíritos.

Tempos depois, os celtas foram conquistados pelos romanos, que eram guerreiros e dominavam novas terras e povos, há quase dois mil anos. Seus costumes e festivais se misturaram com os do lugar: eles comemoravam o Dia de Pomona na mesma época do Samhain. Pomona era uma deusa que protegia a agricultura, as frutas e os jardins. Assim, espigas de milho e maçãs, simbolizando fartura de alimentos para as colheitas do ano seguinte, foram incluídas na antiga festa celta.

Mais tempo, quase mil anos, se passou e o feriado foi somado ao que a Igreja comemorava em primeiro de novembro, chamado de All Hallows Day (Dia de Todos os Santos, em inglês). E o dia anterior, o 31 de outubro, ficou conhecido como Hallows Eve, ou véspera de Todos os Santos, dando origem ao nome que conhecemos hoje, Halloween.

Mas as pessoas não esqueceram as festas originais dos celtas e continuaram a acender fogueiras e dançar em volta, fantasiadas de esqueletos, diabinhos, fantasmas e monstros, enfeitando as casas com lanternas feitas de abóboras escavadas e iluminadas por dentro com a chama de uma vela. E conservaram várias das superstições desse festival.

Por exemplo, se uma moça descascar uma maçã sem romper a casca e atirá-la para trás, por cima do ombro, à meia-noite, ao cair no chão ela formará a primeira letra do nome de seu futuro marido. Na Irlanda, as crianças iam de casa em casa pedindo alimentos para comemorar a noite de Halloween, o que deu origem ao hábito de pedir doces dizendo: gostosuras ou travessuras!

Como você pode ver, o Halloween, ou Dia das Bruxas como é chamado por aqui, é uma soma de várias tradições muito antigas dos povos da Europa, e, mais tarde, da América do Norte. Hoje essa data é comemorada principalmente na Inglaterra, na Irlanda, nos Estados Unidos e no Canadá, mas já existem festividades também no Brasil.

Vários grupos ligados ao folclore brasileiro, isto é, nossa cultura popular, protestam contra a adoção dessa festividade “importada”. E criaram o Dia do Saci, em 31 de outubro, para valorizar as lendas brasileiras. Caso você queira conhecer ou aderir a essa causa conheça o site da SoSaci – Sociedade dos Observadores de Saci.”

Muitos celebram o Halloween sem pensar em seu significado, apenas como uma forma divertida de fantasiar-se, enxergando isso como algo inocente e inofensivo. Meus filhos queriam porque queriam participar! Como eram pequenos e sempre os incentivei a participarem das festas do bairro – para estarem mais próximos da cultura alemã – achei controverso não deixá-los ir. Além do que conversar sobre toda essa questão entre o bem e o mal, satanismo e tudo mais seria muito para a idade deles.

Fizemos assim: preparamos vários saquinhos de doce e combinamos que ao invés de pedirmos, nós iríamos dar as gostosuras, assim faríamos uma boa ação no meio de tantos bruxinhos soltos lá fora. Eles adoraram a ideia, preparamos juntos os saquinhos e improvisamos as fantasias.

Nossa caminhada pelo bairro durou 20 minutos no máximo, porque o frio começou congelar a nossa smallalegria. Voltamos para casa, tomamos um delicioso chocolate quente e nunca mais tocamos no assunto. O ano passado não demonstraram interesse algum, e esse ano muito menos, cheguei até perguntar por curiosidade.

Acho que toda a minha preocupação me fez ver que ao invés de proibirmos e batermos de frente com assuntos e ações que não nos agradam – mas que passam pela cabeça dos nossos filhos – o melhor a fazer é orientá-los e estar juntos, participando e refletindo sobre nossas ações.

E vocês, o que acham? Como encaram a festa de Halloween? Deixe seu comentário…

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s