0

Festa de São Martin

Novembro ainda é outono, mas o frio aqui na Alemanha já tem cara de inverno. Então a gente segue inventado e procurando alternativas para nos divertimos e aproveitarmos o tempo também fora de casa, porque esperar dentro de paredes quentinhas o inverno passar com quatro crianças é de enlouquecer mãe, pai e a vizinhança toda.

Para nossa alegria, novembro é o mês em que comemoramos a festa de São Martin e isso quer dizer que pelo menos por um semana estamos entretidos com algo que aquece nossos corações de tão fofinho que é. Vou explicar o motivo.

Primeiro, quem foi São Martin?

Martinus Turonensis, também conhecido como Martinho de Tours nasceu no século IV a oeste do Rio Danúbio, região que pertence hoje a Hungria. Seu pai era militar e o alistou com 15 anos para a cavalaria do exercito romano, mesmo contra a sua vontade. Logo ficou conhecido por sua bondade, caridade e fé. Em uma determinada noite, quando Martinus de Tours estava com mais ou menos 22 anos, aconteceu algo que iria mudar a sua vida. E essa parte é o que originou a lenda e a festa que celebramos até os tempos de hoje. Conto sobre isso mais abaixo. Enfim, depois desta noite ele deixou de vez o exército, virou monge, missionário e evangelizador. Morreu aos 81 anos e sua vida foi sempre em função do próximo. Caridade… talvez seja essa sua marca.

St Martin

Mas enfim, o que aconteceu para que São Martin abandonasse a cavalaria? A lenda é mais ou menos assim:

Em um inverno rigoroso, quase congelante para dizer melhor, são Martin retornava de um vilarejo após receber o dever de cobrar os impostos dos camponeses de uma cidade vizinha. Na saída, ele encontrou um mendigo  que implorava por ajuda sentado no chão frente ao portão da cidade. Como são Martim havia dado há poucos instantes todo o seu dinheiro para que os camponeses pudessem pagar o imposto, ele pegou o que tinha no corpo para ajudar o homem. Cortou com sua espada metade do manto que lhe esquentava o corpo e ofereceu ao mendigo, cobrindo-o para que o pobre homem não morresse congelado. Na mesma noite, são Martin sonhou que Deus estava trajado com seu manto, ele acreditou ter tido um encontro com Deus. A partir desse dia,  Martin decide não ser mais um soldado, abandona o capacete e a espada e passa a servir a igreja. É pelo ato de bondade e de coragem de São Martim e por toda uma vida de caridade que comemoramos no dia 11 de novembro o dia de “Sankt Martin”.

São Martin e os gansos
O Bispo da cidade faleceu, e o povo clamava Martin, todos queriam que ele fosse o próximo bispo. Mas ele era tão modesto que se escondeu junto aos gansos. As pessoas o procuravam no escuro com LANTERNAS e alguns deles cantavam músicas. Quando os gansos começaram a fazer barulho o povo o descobriu. E em 371 depois de Cristo, São Martin tornou-se bispo de Tours.

Por isso as lanternas…

A memória dele sobreviveu aos séculos: então a festa que comemoramos hoje com músicas, lanternas e (em alguns lugares) jantar com ganso assado (na minha cidade é Bratwurst mesmo – linguiça grelhada), é devido a estes dois episódios: o ato de bondade ao ajudar o mendigo e o esconderijo entre os gansos.

Como é a festa aqui na Alemanha?

Na escola da minha filha, nos encontramos no pátio, cantamos músicas, saímos todos em procissão com nossas lanternas e depois comemos juntos também no pátio da escola.

No Kita (ed. infantil) dos meus filhos menores, que é uma escolinha católica, temos uma missa, depois uma encenação com “St. Martin” subindo no cavalo, uma procissão no

388903_166750730087118_738226033_n

Kinderpunsch!

bairro com as lanternas e música, e uma confraternização no kindergarden com salsicha e kinderpunsch (seria um ponche quentinho sem álcool – humm… eu adoro!).

No meu bairro, as crianças tocam as campainhas da casa e quando a gente abre a porta elas cantam para nós. Como forma de agradecimento, retribuímos com doces, é uma tradição.

A primeira vez que bateram na minha porta – eu não sabia de nada disso ainda – eles cantaram e ficaram sorrindo esperando, aí eu vi que um deles segurava um cestinho com doces e então eu entendi o recado. Corri para o armário e tinha uns poucos  mini saquinhos de Haribo. Outras crianças vieram e eu não tinha mais doce, então comecei distribuir frutas. Elas se entre olharam e agradeceram. Vieram outras e eu já estava desesperada, não tinha mais doce, frutas e eu não ia dar um pé de alface que estava lá na geladeira, então eu distribui iogurte! Ai que mico.

Um encontro de arte, cultura, história, religião…

As crianças fazem suas próprias lanternas, mas também podem comprar. Esse ano nós compramos a da Melina, mas depois ela fez uma com sua amiga e o Lucca e o Thomas fizeram a deles parte na escola. O Giovanni já está no fundamental, e isso quer dizer que não é costume por aqui fazer a procissão de são Martim nas escolas depois de “grandes”, mas muitas paróquias celebram essa festa e nos dão a oportunidade de festejar juntos em qualquer idade.

Aqui em casa adoramos participar de tudo isso, acho uma forma importante de dizer e mostrar para as crianças que quando fazemos o bem isso fica marcado, gera frutos, engrandece, alegra ao próximo e nos enche de alegria também. Então, por que não? Para hoje a previsão é de chuva, mas temos um encontro marcado às 16:00 para festejarmos St. Martin 🙂

E vocês, já conheciam essa festa? O que acharam? Colocarei no instagram um pouco da festa (espero que a chuva não atrapalhe), passe lá e dê uma olhadinha. Já tem uma foto da Melina com sua lanterna. A festinha da escola dela foi quarta!

Beijos, mamães!

 

Anúncios
0

Devemos comemorar o dia das bruxas?

Nunca tive o costume de comemorar o dia das bruxas quando criança. Apenas quando cresci e fui para a escola de inglês é que participei de algumas festas consideradas típicas nos EUA, embora seja uma festividade originada dos celtas.

Quando mudei para Alemanha, descobri que aqui as pessoas comemoram também. Nos mercados é possível encontrar fantasias, máscaras, abóboras, enfeites para casa, comidas coloridas e muito mais. Meus filhos tiveram a curiosidade de participar de uma festinha há dois anos atrás.

9e77ce1696ccb5d6167d9a9b0071eddc-halloween-cartoon-girl-witch-costumeFiquei meio com receio. Para os católicos e cristãos, a festa das bruxas é uma festa satânica que cultua os espíritos do mal e maldade. A feitiçaria, o ocultismo, e a adoração do mal são temas que não combinam com o cristianismo. Da mesma forma os cristãos são livres e podem fazer suas escolhas.

Quando fiquei sabendo que a turminha do bairro iria sair andando pela rua fantasiados e pedindo doces e que meus filhos queriam participar de tudo isso, fui buscar um texto que me convencesse a não deixá-los ir. Encontrei este aqui, da jornalista Jurema Aprile:

” Os celtas, um povo que viveu há muito tempo na região onde hoje ficam a Inglaterra, a Escócia e a Irlanda, bem antes do nascimento de Jesus Cristo, comemoravam o Dia de Samhain (pronuncia-se “so-in”) em 31 de outubro. Era o final de um ano e começo de outro, o fim da “temporada do sol” e o começo do frio, quando chegava o inverno e a terra congelava. A data significava também a abertura do portal entre o mundo dos mortos e o dos vivos.

As pessoas acreditavam que nesse dia, as almas dos mortos vinham à procura dos vivos, e tinham muito, muito medo dessa “visita” anual. Daí resolveram se vestir da forma mais estranha possível nessa data, para não parecerem humanos e despistarem os espíritos.

Tempos depois, os celtas foram conquistados pelos romanos, que eram guerreiros e dominavam novas terras e povos, há quase dois mil anos. Seus costumes e festivais se misturaram com os do lugar: eles comemoravam o Dia de Pomona na mesma época do Samhain. Pomona era uma deusa que protegia a agricultura, as frutas e os jardins. Assim, espigas de milho e maçãs, simbolizando fartura de alimentos para as colheitas do ano seguinte, foram incluídas na antiga festa celta.

Mais tempo, quase mil anos, se passou e o feriado foi somado ao que a Igreja comemorava em primeiro de novembro, chamado de All Hallows Day (Dia de Todos os Santos, em inglês). E o dia anterior, o 31 de outubro, ficou conhecido como Hallows Eve, ou véspera de Todos os Santos, dando origem ao nome que conhecemos hoje, Halloween.

Mas as pessoas não esqueceram as festas originais dos celtas e continuaram a acender fogueiras e dançar em volta, fantasiadas de esqueletos, diabinhos, fantasmas e monstros, enfeitando as casas com lanternas feitas de abóboras escavadas e iluminadas por dentro com a chama de uma vela. E conservaram várias das superstições desse festival.

Por exemplo, se uma moça descascar uma maçã sem romper a casca e atirá-la para trás, por cima do ombro, à meia-noite, ao cair no chão ela formará a primeira letra do nome de seu futuro marido. Na Irlanda, as crianças iam de casa em casa pedindo alimentos para comemorar a noite de Halloween, o que deu origem ao hábito de pedir doces dizendo: gostosuras ou travessuras!

Como você pode ver, o Halloween, ou Dia das Bruxas como é chamado por aqui, é uma soma de várias tradições muito antigas dos povos da Europa, e, mais tarde, da América do Norte. Hoje essa data é comemorada principalmente na Inglaterra, na Irlanda, nos Estados Unidos e no Canadá, mas já existem festividades também no Brasil.

Vários grupos ligados ao folclore brasileiro, isto é, nossa cultura popular, protestam contra a adoção dessa festividade “importada”. E criaram o Dia do Saci, em 31 de outubro, para valorizar as lendas brasileiras. Caso você queira conhecer ou aderir a essa causa conheça o site da SoSaci – Sociedade dos Observadores de Saci.”

Muitos celebram o Halloween sem pensar em seu significado, apenas como uma forma divertida de fantasiar-se, enxergando isso como algo inocente e inofensivo. Meus filhos queriam porque queriam participar! Como eram pequenos e sempre os incentivei a participarem das festas do bairro – para estarem mais próximos da cultura alemã – achei controverso não deixá-los ir. Além do que conversar sobre toda essa questão entre o bem e o mal, satanismo e tudo mais seria muito para a idade deles.

Fizemos assim: preparamos vários saquinhos de doce e combinamos que ao invés de pedirmos, nós iríamos dar as gostosuras, assim faríamos uma boa ação no meio de tantos bruxinhos soltos lá fora. Eles adoraram a ideia, preparamos juntos os saquinhos e improvisamos as fantasias.

Nossa caminhada pelo bairro durou 20 minutos no máximo, porque o frio começou congelar a nossa smallalegria. Voltamos para casa, tomamos um delicioso chocolate quente e nunca mais tocamos no assunto. O ano passado não demonstraram interesse algum, e esse ano muito menos, cheguei até perguntar por curiosidade.

Acho que toda a minha preocupação me fez ver que ao invés de proibirmos e batermos de frente com assuntos e ações que não nos agradam – mas que passam pela cabeça dos nossos filhos – o melhor a fazer é orientá-los e estar juntos, participando e refletindo sobre nossas ações.

E vocês, o que acham? Como encaram a festa de Halloween? Deixe seu comentário…

0

Stockbrot!! O pão no espeto que faz o maior sucesso entre a criançada.

knackundbackStockbrot é mais uma das deliciosas e interessantes tradições aqui na Alemanha. A primeira vez que vi este pão sendo feito confesso que fiquei assustada. Também não é por menos. Imagem só uma festa na escolinha do seu filho, aí você chega lá e tem uma fogueira enorme e a criançada fica correndo em volta com galhos de árvores na mão. Depois eles correm até a professora e está enrola uma massa no galho da árvore e entrega outro espeto com uma salsicha enfiada. Então seu filho corre até a fogueira para assar o pão e salsicha e comer sozinho, sem te perguntar muita coisa. Caso eles estivessem na faculdade, então tudo bem, até poderia ser normal, rsrsrs, mas no maternal!? Ah… é muita emoção para o coração de uma mãe!!!

Com o tempo vi que as crianças aqui na Alemanha são mais livres e me acostumei. Hoje acho o máximo educar à moda alemã e tento ponderar as duas culturas, e aproveitar o que melhor as duas possuem a oferecer. Mas enfim, vamos ao pão?

Osterfeuer é uma festa tradicional na Alemanha que acontece na noite de sábado do fim de semana da Páscoa. Bairros se reúnem para socializar e comer algumas salsichas junto do pão assado no espeto, o famoso StockBrot. stockbrot_4

Esta tradição se expandiu a outras festividades, como por exemplo, em festinhas de escola. A ideia é saborear o pão em um momento de confraternização e socialização. Sempre acontece em épocas frias, ou seja, quase o ano inteiro é possível encontrar alguém fazendo este pão na brasa, que também é conhecido por aqui como pão francês, pão regional ou bolo de vara. Já na Suíça tem o nome de pão cobra!

Caso você venha para a Alemanha, dificilmente encontra-rá este pão à venda em alguma festinha. A tradição é de que seja algo entre amigos, colegas, vizinhos. Mas você não vai ficar com vontade porque eu vou passar a receitinha já e vocês podem preparar no próximo churrasco, por exemplo.

Receita do Pão na Brasa ou Stokbrot


Tempo de preparo: 10 minutos + tempo de repouso (+- 3 horas)                                                 

Calorias: 249 (por 100 gramas)

Custo: $

Nível de Dificuldade: Fácil

INGREDIENTES.                                                                                                                                              * 1 kg de farinha
* 2 quadradinhos de fermento biológico
* 500 ml de água morna
* 1 colher (de chá) de sal

foto studio

MODO DE FAZER.
1. Adicione o fermento com a água morna em uma tigela e dissolva-o.
2. Coloque o sal e a farinha. (você pode incrementar a receita com cubinhos de bacon ou presunto, ervas finas, cebolinha, … aproveite porque a hora de acrescentar é agora!)
3. Amasse e por dez minutos. A massa fica boa, não pegajosa.
4. Deixe descansar por 3 horas.
5. Enquanto isso pegue gravetos compridos de uma árvore (não venenosa por favor, heim?!) e enrole papel alumínio a partir da ponta até mais ou menos uns 30 com em cada uma das varetas.
6. Quando der a hora de pegar a massa, separe em bolas (pouco maior que um ovo de galinha).
7. Abra, formando uma salsicha, cada uma das bolinhas.
8. Enrole no espeto, sob o papel alumínio e pressione bem.
9. Depois é só colocar para assar na churrasqueira ou na brasa de uma fogueira! (passar uma manteiguinha de alho sob o pão antes de assar o Stockbrot dá um toque especial!)

Fotor0828104139

É uma delicia, as crianças AMAM e dá para bater um bom PAPO com essa turminha enquanto se espera para COMER este pão quentinho! Bom apetite 🙂

facebook.com/asupermammy

1

Quando oferecer a primeira papinha ao bebê?

Olá mamães! Quem é que tem neném em casa? Eu tenho! E junto com essas coisinhas fofas vem um montão de dúvidas sobre tudo: amamentação, banho, soninho, vacinas e muito mais. Lá por volta dos 4 meses de vida nós, mamães, começamos a nos preocupar com a alimentação do bebê, afinal, como toda mãe coruja, dá um medão só de pensar em faltar algum nutriente para o nosso bebê.

O leite materno (na maioria das vezes) é suficiente para nutrir – e muito bem – um bebê até os seus primeiros 6 meses de vida. Então, é aí que se inicia a colorida e vitaminada fase da papinha. Quando meu terceiro filho estava com 5 meses de vida, chegou uma cartinha do nosso convênio falando sobre a primeira papinha do bebê. Achei incrível as dicas, conversei com minha pediatra e compartilho com vocês a minha experiência.


Quando começar?

Mais ou menos por volta dos seis meses. Como nenhum bebê é igual ao outro, essa idade pode variar entre o 5º mês e o 7º. Para não ter dúvidas, o seu bebê estará pronto para a primeira papinha quando:

  • a sua cabecinha já estiver estável e firme;
  • se interessar pelos alimentos que as pessoas comem ao seu redor;
  • conseguir colocar coisas na boca sozinho.

Como preparar a papinha do bebê?

Clique aqui e veja 3 receitas de papinha de dar água na boca!!

Beijinhos e até a próxima 🙂

2

Festa de Aniversário divertida, bonita e barata!

Esses dias eu tentava explicar para a mãe de um coleguinha do Gi como era uma festa de aniversário no Brasil. Escuta só: tem vó, vô, tio, vizinhos, cachorros, passarinho, amigos, amigos dos amigos, primos, tio de terceiro grau, todo mundo é bem vindo e sempre cabe mais um. Comida? Não falta! 10 tipos de salgadinhos, cachorro quente, maionese de legumes, Cap Cake, cascata de chocolate, pipoca, às vezes rola um churrasquinho, bolo, brigadeiro, beijinho, gelatina, sorvete, … a lista é grande e quanto mais “Cake”, mais “Pops” fica, 😉 ! Lembrancinhas, aluguel de brinquedos, de recreadores, de mesinhas e a decoração? Nossa! Não pode faltar por nada nesse mundo. Quem nunca pendurou na parede enfeites da Barbie, Hot Wheels, Mickey, Backyardigans, Peppa Pig não conhece a aventura (e o cansaço) de montar um evento desses em casa!

Sempre fiz isso, gostava de preparar tudo. Aprendi com minha mãe que ficava dias preparando a minha festa de aniversário e a da minha irmã. Então, de uns 15 ou 20 anos para cá (nossa tudo isso?! aff) os buffets apareceram e em troca de um saco grande de dinheiro prepararam tudo isso para nós, e a gente vai lá, curte e vai embora, sem ficar com a pior parte da festa que é arrumação, desmontagem de toda alegoria rsrs, e limpeza!

No final, as festinhas de aniversários no Brasil acabam assim: fotos lindas, criançada feliz, e dinheirinho (vários) voando da nossa carteira para nunca mais voltar.

É legal? Sim! É divertido? Sim! Todo mundo gosta? Sim! Mas viver aqui na Alemanha me fez repensar alguns valores (monetários inclusive) e mudar um pouco meus conceitos sobre festa de aniversário infantil e diversão.

A primeira festa de aniversário que fiz aqui na Alemanha eu nunca mais esquecerei. Foi logo que chegamos, tudo novo e a Melina completando 3 aninhos. Como sempre fazia no Brasil, preparei os convitinhos e levei para toda a classe, principalmente porque eles eram apenas 12 crianças. Para meu espanto, ou melhor para o espanto da professora, ela falou: “12 convites? Tem certeza?” E eu disse: “Sim, claro, estou esquecendo de mais alguém?

Depois fui atrás de comprar a decoração e cadê? Não achei! Encontrei apenas alguns pratos e copos de piratas, guardanapos de cavalos com flores na cabeça, sacos para lembrancinhas, algumas velas e bexigas. Depois, procurei na lista telefônica e na internet algo sobre recreação para festas e não havia nada, apenas um mágico há umas três cidades depois da minha. Foi então que a ficha começou a cair.

Bem, então fiz um bolo, brigadeiro, comes e bebes e esperamos pelos coleguinhas. Pontualmente estavam lá, os pais (todos) me perguntavam se não era muita criança e qual o horário que terminava a festa pois não estava escrito no convite. Foi então que descobri que festa de aniversário aqui dura no máximo 3 horas e que devemos convidar em média uma criança por cada ano do aniversariante! Aprendi que cachorro quente, bolo e uma bacia com pipino, pimentão e cenoura fazem a alegria das crianças. Bebidas: suco e água já está ótimo, ofereci coca cola para um coleguinha na última festinha do Gi e ouvi que coca não é saudável porque tem muita cafeína.

Na primeira festinha que fizemos aqui na Alemanha ficamos totalmente perdidos e foi aí que descobrimos que festa divertida é festa com atividades. Quais? O Gi, a semana passada por exemplo, foi em uma e eles fizeram um caça ao tesouro ao redor da casa, também confeccionaram um colar de pedra e fabricaram uma espécie de pipa.

Nós, depois de termos aprendido como funcionam as festas por aqui, já fizemos inúmeras atividades com a criançada: gincanas com bexiga, festa à fantasia, pintura de camisetas, bingo, campeonato de soletrar, futebol de botão, teve uma vez que fizemos junto com as crianças o próprio bolo do aniversário.

No final, as festinhas de aniversários na Alemanha acabam assim: fotos lindas, criançada feliz, orgulhosas de terem feito sozinhas muitas coisas e com um orçamento baixo, afinal, economizar dinheiro já é o maior presentão.

A lição que aprendi disso tudo é que nossas crianças vão gostar de tudo o que fizermos. Claro que se levarmos as crianças alemãs para os nossos buffets, por exemplo, elas vão amar. O contrário também é verdadeiro. Preparem uma festa para as crianças sem muito “luxo”, sem muitas “frescurinhas”, mas com atividades interessantes e verão como eles se divertirão igualmente.

Muitas vezes me peguei pensando aqui ao planejar a festa de aniversário dos meus filhos: “a não, não precisa disso tudo, só terão crianças na festa”. Então me pergunto: eu preparava toda aquela festança antes pensando nas crianças ou nos adultos? Quem é que gostava mais da decoração, eles ou eu?

Ás vezes me questiono sobre o consumismo exacerbado, o exagero e o modismo e vejo que uma festa de aniversário pode ser uma grande oportunidade e um grande momento para rompermos com esses novos (mas nem tanto) paradigmas.

Você também pode gostar de ler:

Organizando festa de aniversario infantil – Roteiro completo.

0

Ovos coloridos para a Páscoa – uma tradição Alemã!

A Alemanha é cheia de tradições, e cada estação do ano nos revela a criatividade desse povo acolhedor e simpático. A primavera aqui está chegando, essa é a época mais bonita para visitar e passear por aqui. Junto com a chegada da primavera, acontece a quaresma. E como não poderia ser diferente, os alemães enfeitam suas casas para esperar a Páscoa!

Fotor031295537

Algumas tradições aqui da Alemanha para a época da Páscoa.

A Páscoa com certeza é a maior e mais importante festividade cristã na Alemanha, que mantém vivas várias tradições tais como colorir ovos, procurá-los no jardim, assar bolos especiais e acender velas e fogueiras.

Os ovos

Na minha primeira páscoa na Alemanha, demorou para “cair a ficha” até entender que os ovos de chocolates aqui dão lugares aos ovos cozidos coloridos! Uma troca não muito gostosa (pelo menos para mim, nunca gostei de ovo cozido!) mas cheia de cultura, religiosidade e tradição.

Isso porquê enfeitar e colorir ovos de galinha acontece desde o século XII, quando a igreja católica iniciou o costume de abençoar os ovos, que simbolizam a ressurreição de Cristo e o início de uma nova vida. A pintura e a decoração diferenciavam os ovos benzidos dos outros.

Até hoje esse costume é vivo aqui na Alemanha, e podemos ver os ovinhos coloridos nas escolas, no kindergarden, nas casas, lojas, igrejas, enfim em todo lugar!

Os ovos no jardim

Alguns dias antes da páscoa, podemos ver nos jardins das casas, os ovinhos coloridos espalhados e escondidos atrás de vasos, arbustos e da própria decoração pascal. Na manhã do domingo de páscoa, as crianças participam de uma brincadeira: caça aos ovos escondidos no jardim!

Como fazer ovos de galinha para decorar?

A preparação dos ovos envolve toda a família. Existem duas formas:

  • Ovos ocos: Primeiro é necessário esvaziar os ovos e para isso fura-se a base e a ponta do ovo ainda cru. Quanto menor o furo melhor. Deixe escorrer bem. Depois, lave-os cuidadosamente e deixe secar por um dia. Esses ovos são bons para serem usados na decoração de guirlandas, vasos, pendurados em galhos secos e janelas.
  • Ovos Cheios: Primeiro é necessário levá-los ao cozimento e depois de frio, pintá-los com bastões de tinta, anilina dissolúvel, papel crepom ou até canetas com tinta comestível. Esses ovos podem enfeitar a mesa no dia de Páscoa e são eles que as crianças procuram no jardim. Também, as pessoas costumam trocar os ovos cozidos pintados à mão, presenteando familiares e amigos.

Coelho da Páscoa

Assim como no Brasil, o coelho é fortemente relacionado à Páscoa. Essa associação remete a uma crença alemã – e de outros povos antigos – de que o ovo é o símbolo da fertilidade e da nova vida em crescimento.

Cidade do Coelho da Páscoa

Papai Noel mora no Polo Norte e o coelhinho, claro, só poderia morar aqui na Alemanha! Ostereistedt é uma cidade que vive o ano inteiro esse espírito da Páscoa, também não poderia ser diferente, seu nome significa “Cidade do Ovo de Páscoa”.

Lá existe um parque, onde crianças podem passear e brincar com o Hanni Hase, o coelhinho da Páscoa. Inúmeras atividades como fazer a caça aos ovos (esses sim de chocolate) escondidos no bosque, passear de pônei, e muitos mais, transformam esse lugar especial para as crianças!

Fogueira e Velas

As celebrações de “Ostern” (Páscoa, em alemão) não se limitam às tradições cristãs, mas incorporam elementos da mitologia germânica. Segundo o mito, a festa contempla a chegada da primavera e representa a vitória do sol sobre o frio do inverno. Em algumas regiões, é comum acender fogueiras (Osterfeuer). O fogo tanto é o símbolo do sol, como da chama da fé, estando ainda ligado à purificação. Desde antigamente, a “limpeza de Páscoa”, na Alemanha, começa no pátio da igreja, onde os fiéis juntam restos de madeira, galhos e as ramas secas que sobram do Domingo de Ramos. Faziam uma grande fogueira, a ser acesa na noite de sábado para domingo. Nessa fogueira, acende-se a Osterkerze, a vela da Páscoa, que é levada para a igreja, que está às escuras, em procissão. Na ocasião, os fiéis cantam três vezes a canção Lumen Christi, a luz de Cristo.

osterkerzen2014__480

Culinária

A culinária alemã de Páscoa inclui a Osterzopf, uma decorativa rosca, na qual, depois de assada, podem ser colocados os ovos cozidos; o Osterlamm (cordeiro da Páscoa) não se trata de cordeiro assado – tradição judaica – e sim de uma massa assada em formas especiais, no formato de cordeiro; a Möhrencremesuppe, uma sopa com o legume preferido do coelhinho, a cenoura; e, por último, o Osterbraten, o assado de Páscoa, servido no domingo, que pode ser qualquer tipo de carne, não necessariamente cordeiro.

No Brasil, na Alemanha, e em qualquer lugar do mundo, a Páscoa é uma festa religiosa, onde se celebra a vida do Cristo ressuscitado. Por isso, para as mamães que acreditam, fica a dica de focar mais no real significado da Páscoa com a criançada, deixando o lado comercial de fora desta importante celebração.

Você também pode gostar de:

Ovos de Páscoa: não se deixe levar! Dicas para a hora das compras.

5

Tempo de Carnaval!!

Olá mamães!

Sábado as crianças pensaram na possibilidade de fazermos uma festa de carnaval aqui em casa. Achamos a iniciativa legal e passamos o domingo todo organizando e tendo idéias para a festinha, que acontecerá aqui em casa no sábado de manhã!

Aqui na Alemanha o carnaval também é comemorado, tem desfiles e tudo. Existem cidades que decretam férias escolares no período. Durante os desfiles, todos usam fantasias e são distribuídas balas para os foliões! A cidade de Colônia (Köln) é super conhecida pela festança. Fotor022422494

Nessa época, qualquer mercado que você entrar vai encontrar fantasias, perucas e acessórios para o “Karneval”, como é conhecido aqui. Os preços são bem acessíveis e todo mundo experimenta a fantasia na loja mesmo, o que acaba virando uma diversão!

Achei legal compartilhar com vocês essa nossa experiência mesmo antes de realizá-la. Quem sabe vocês não se sintam inspiradas e organizam uma matinê com os filhotes e seus coleguinhas em casa ou no salão de festas do prédio!? Ainda da tempo!

Vejam o “passo a passo” da nossa organização!

1. Lista de convidados: Estipulamos que o Gi e a Me poderiam escolher para a nossa festa, quatro amiguinhos cada um, afinal, somando todos teremos 10 crianças pulando carnaval dentro de um apartamento!

2. Convites: Passamos a manhã do domingo recortando, desenhando e enfeitando nossos convites. A festa será no sábado das 10:00 ao 12:00. Eles ficaram assim: Fotor0224231563. Cômodos permitidos: A festa está liberada para acontecer apenas nas salas e no quarto de brincar. Fecharemos as portas dos outros cômodos, caso contrário minha cama vai virar um trampolim!

4. Músicas: Nós temos alguns CDs de músicas de carnaval do ano passado, inclusive esse aqui, que adoramos: PC027-BAIXA5. Comidinhas: As crianças foram pensando nas comidinhas e nós fomos orientando para que fosse algo mais saudável. A festa acontecerá cedo, então teremos um cardápio simples de café da manhã. Vejam só:

  • Espetinho de frutas
  • Milho cozido
  • Bolo de cenoura
  • Pão de forma com requeijão, presunto e queijo
  • Suco de cenoura com limão e laranja

6. Brincadeiras: Faremos um desfile de fantasias, pintura no rosto, fotografias divertidas e uma mini gincana.

Mas a principal dica é:

Arrastem os móveis, enrolem o tapete e não esqueçam de tirar tudo o que quebra da sala!!!

Segunda que vem conto como foi… Beijos e boa diversão!