Crianças bilíngues. A experiência de dois brasileirinhos na Alemanha.

Olá Mamães, Fotor0127100242

Quando nos mudamos para a Alemanha, a nossa maior preocupação era com relação ao aprendizado do segundo idioma pelas crianças. Afinal, eles eram tão pequenininhos e eu ficava imaginando como seriam os primeiros dias na escolinha.

Quantas e quantas vezes eu me perguntei: Como é que eles vão aprender alemão? Como vão se comunicar na escolinha? E para ir ao banheiro, ou comer, meus Deus, como farão?

Essas angústias foram dando lugar a vivência e muita leitura sobre a educação bilíngue, que nunca me deixou dúvidas quanto aos seus benefícios, mas sim, em qual momento começar?

Meus filhos foram acolhidos por professoras maravilhosas e isso facilitou muito o processo de adaptação. Em duas semanas as crianças já sentiam prazer em ir à escola. Em dois meses, podiam comunicar-se eficientemente com o vocabulário até então aprendido e hoje, dois anos e meio depois, vivem uma rotina escolar e social parecida a de uma criança alemã, com as facilidades e dificuldades de cada fase e etapa da vida.

Eu fiquei realmente admirada com a capacidade que as crianças possuem de adaptar-se a uma nova língua e cultura. Mesmo assim, a todo momento eu me perguntava o que é que as crianças precisavam para que tivessem um bom desenvolvimento linguístico?

E hoje escrevo aqui para vocês, mamães, alguns aspectos que aprendi e vivi ao longo desses dois anos e meio como mãe de crianças em processo de aprendizagem bilíngue.

As crianças podem aprender bem diversas línguas

As crianças pequenas podem aprender duas ou três línguas desde que sejam bem apoiadas. Desde que faça sentido a utilização da segunda língua na sua vida, não somente na escola. Quando crescem nesse ambiente, conseguem desde cedo estimular as sinapses cerebrais. Segundo Flory, “O bilinguismo não aumenta a inteligência, mas exerce uma influência sobre a habilidade cognitiva”.

Que língua falar com seus filhos?

Fui muitas vezes aconselhada a falar alemão com meus filhos: “fale alemão com seus filhos porque assim será mais fácil para eles na escola”. Esse conselho é errado. O que aprendi na pedagogia alemã é que devemos falar com nossos filhos na língua em que falamos mais espontaneamente e melhor, sendo esta, na maior parte das vezes, a língua materna. Dessa forma, uma rica base linguística será formada dando a base para o aprendizado de outras línguas.

O cotidiano da família é importante para o desenvolvimento da língua. É na FAMÍLIA que as crianças APRENDEM a sua primeira LÍNGUA.

Mas o que de concreto a família pode fazer para ajudar o desenvolvimento linguístico de seus filhos? Separei algumas dicas que valem para o aprendizado da língua materna e, também, para uma segunda língua.

1. Sentir prazer em falar.

Com crianças pequenas não podemos ensinar a gramática e ortografia. Elas aprendem ouvindo e falando. As conversas diárias são muito importantes para elas, que aprendem melhor quando se sentem bem e sem medo de fazer erros. Algumas vezes elas fantasiam palavras, brincam com a língua, o que é bom para o desenvolvimento da linguagem. Não é favorável ao desenvolvimento da língua que se faça muitas correções quando a criança comete erros. As crianças que são muitas vezes corrigidas, perdem o prazer de falar e contar coisas.

2. Verem livros em conjunto.

Quando os pais leem junto com seus filhos – de preferência todos os dias – o vocabulário é enriquecido, contribuindo para a sua escolarização e socialização. Mas é importante que se tenha prazer em ler e ouvir a história. E quando os adultos interrompem a história para fazer inúmeras perguntas, as crianças podem perder o interesse. É interessante lerem livros em outras línguas, e depois conversarem sobre ele na língua materna. Dessa forma, as crianças podem “sentir” a língua.

3. A televisão não é suficiente.

Quando veem televisão, as crianças pequenas concentram-se mais nas imagens do que na fala. Elas aprendem melhor quando escutam uma historinha, seja por meio de um CD ou contadas pelos pais.

4. Viver com dois idiomas – as crianças precisam de um “modelo”.

Os pais são um modelo importante, e quando estão aprendendo também um novo idioma – como no meu caso em que tive que aprender o alemão – as crianças notam o esforço de seus pais no aprendizado de outra língua. Também, notam a nossa forma de falar a língua materna, o que contribui na importância de se aprender as duas, e não substituir uma por outra.

5.Músicas.

Mesmo sem entender as letras das músicas e o significado das palavras, a mera audição desenvolverá nas diversas regiões cerebrais das crianças pequenas, os canais neurais apropriados à aquisição posterior da língua. As crianças que tenham se familiarizado com os sons de duas línguas, será capaz de fixar o segundo idioma em redes neurais tão estáveis, que continuará dominando-a ainda que tenha deixado de utilizá-la por anos.

6. A língua é um tesouro.

Falar duas línguas e mais tarde poder dominá-las bem é um tesouro que seu filho possui, no sentido que isso pode ajudar-lhe na sua vida e na sua profissão.

E esse tesouro ninguém pode lhe tirar!

Mamães, que delícia é ver o desenvolvimento de nossos filhos, não é?

Beijinhos e até quarta!

(trecho da nossa primeira festinha no kindergarden das crianças, com apenas 2 meses de interação escolar)

Fontes:

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s