0

Eba! A nossa festinha de Carnaval foi muiiito legal!

Quem disse que carnaval no frio é chato? Aqui em casa, a alegria esquentou os nossos pequenos foliões e deu um chega para lá no inverno gelado da Alemanha!

Fotor030603116

Preparamos uma matinê, afinal é tempo de carnaval! e foi bem interessante e divertido. Tudo bem que eu tive a ideia maravilhosa de dar para a criançada 3 sacos de confetes, o que rendeu muito trabalho para deixar tudo em ordem depois. Mas valeu! (Mesmo sabendo que vou encontrar confete pelos próximos meses em algum cantinho da casa).

Alemão é super, hiper, mega, pontual e 10:03 da manhã (a festinha foi das 10 ao meio dia) todas as crianças já estavam aqui. Então demos inicio às atividades. O que fizemos?

Desfile de fantasias

Logo que chegaram, fizemos uma roda e cada criança foi falando do que veio fantasiada, quem pensou na fantasia, se fizeram ou se compraram, etc… Também, podiam cantar, dançar, imitar um personagem, ou fazer um som. Gastamos uns 15 minutos nessa atividade.

Estátua

Depois, ligamos o som e dançamos à beça! Comprei um CD de músicas de carnavais alemãs e misturei com as músicas brasileiras, foi muito legal. Brincamos de estátua – aqui as crianças chamam essa brincadeira de Stop-Music.

Guerrinha de confetes

Com certeza a hora mais divertida da festa, é muito gostoso jogar confete para o alto. Principalmente sabendo que não precisa limpar – o que não era o meu caso, então reduz aí a minha alegria rsrs

Recriando o modelito

Pegamos a caixa de fantasias e acessórios lá do quarto de brincar e cada criança podia pegar o que quisesse para mudar a cara e o estilo da sua fantasia. Então, depois dessa transformação, estavam presentes na minha sala o “Darth Vader ciclista”, a “Índia chic indo às compras”, o “Mexicano loiro”, o “bebê macaco Chaplin”, o “jogador do Bayer ninja”, o “pirata só pirata mesmo”, o outro “Darth Vader cavalheiro da Contrada da Torre”, a “princesinha de guarda-chuva”, o “Crocodilo arqueiro” e eu, “fantasiada” de “mãe louca que chamou 10 crianças para bagunçar a la vonté seu apartamento”!

Pintura

As crianças aqui amam colorir, então toda festinha tem que ter tinta, telas de pintura ou papel, lápis e canetinhas. Foi legal e montamos um painel com todos os desenhos. Juro que a primeira coisa que um dos convidados (de 7 anos!!!!) fez no papel foi escrever funções matemáticas. Assustei geral! rsrsrs

Café da manhãFotor030610112

Depois da farra dos “AmendoBobos” (assistimos ontem ao filme do Bob esponja pela milésima vez, e rimos como se fosse a primeira, como sempre!) a criançada estava com fome e sede. Então, fizemos um café da manhã com espetinhos de frutas, palitos de queijo com tomate e só de queijo, lanchinhos com geleia de morango, outros com requeijão e queijo, suco… Deu tudo certo!

Brincadeira livre

Quando já era umas 11:40 deixamos as crianças livres para brincar no quarto de brinquedos ou na sala mesmo, juntando os confetes do chão e jogando tudo de novo para cima!!!! Fotor030605423

Os alemães, no geral, são muito gentis e prestativos. Só encontro gente adorável em nossos caminhos e agradeço muito. Afinal, morar num país longe da família e amigos não é uma tarefa simples. Todas as crianças trouxeram alguma coisa sem nós pedirmos: ganhamos flores, caixa de merengue, caixa de chocolate, um saquinho com conchas e pedrinhas, revistinhas para ler…

Meio dia os pais estavam pontualmente aqui em casa, maravilhados com nossa festança e espantados com a quantidade de confetes pelo chão rsrsrs

Avaliando a festinha, de 0 a 10, dou a nota 1000!!! Valeu muito, uma lembrança inesquecível para os meus filhos e para o papai, animador oficial da festa, que ficou assim depois da criançada ir embora: img_5478

Anúncios
0

Brincar é divertido e inteligente!

Desde os primeiros meses as crianças se envolvem com brincadeiras e jogos. É dessa forma que elas aprendem, se desenvolvem e interagem com o mundo. As crianças vão crescendo, muda-se a forma do brincar, mas ainda sim, a atividade favorita dos nossos filhos é explorar o mundo e aprender a navegar por ele .

Eu estava observando meu caçulinha (que completou seis meses hoje) brincar com uma simples etiqueta que recortei de uma blusa que estava pinicando muito!. Aquele olhar brilhante, um leve sorriso, uma concentração gigantesca para segurar, virar, lamber algo tao desajeitado e molengo.

Os bebês parecem apaixonados ao descobrirem o mundo. Também, encaram os jogos e brincadeiras como uma profissão, como aquilo que ele faz de melhor. Como se fosse uma necessidade inata da criança o desejo de brincar.

Tudo o que tem nas mãos de um bebê ou de uma criança, faz com que eles criem uma ponte que os ligam rapidamente até uma brincadeira. Colocar tigelas de plástico uma dentro da outra, desenhar com um pedaço de graveto na areia, dar algo para beber a uma boneca com um copo vazio, puxar as meias dos pés… tudo é motivo para brincadeira, tudo se transforma em aprendizado.

Nestes exemplos, é nítido observar a tentativa das crianças de desvendar os mistérios das coisas ao seu redor. Querem ter, sentir, cheirar, segurar e ouvir todas as pistas que as fazem explorar seu pequeno mundo e entendê-lo. E fazem isso brincando. Uma maravilha para o desenvolvimento mental, motor, emocional e social.

Para isso, os bebês – e também as crianças – precisam de espaço e de liberdade para explorar. Também, precisam de tempo, do quanto for suficiente para elas.

A ciência do desenvolvimento infantil nos revela que os bebês são a mais completa e incrível máquina de aprendizagem existente. Conseguem criar conexões neurais e aprendem rapidamente as coisas. Se uma criança pequena aperta o botão do abajur e a lâmpada ascende, e depois aperta novamente e a luz apaga, pronto, tem-se um novo “jogo”, uma nova brincadeira e, assim, uma nova tarefa de aprendizagem é revelada.

Os bebês – um mundo a conceber.

O primeiro brinquedo do bebê é o seu corpo . Ele brinca com os pés, examina suas mãos, experimenta o sabor dos seus dedinhos. Também é fascinado por tudo o que está em sua volta. Quer compreender o que acontece! Quer colocar tudo na sua boca, seja a meia suja do irmão ou uma colher na mesa de jantar.

Nesta etapa o bebê está aprendendo a entender o mundo: “se eu pegar o chocalho, escuto um som”, “se eu jogar a chupeta fora do carrinho, ficarei sem”, “se eu empurrar a porta, ela se abre” .

O que nós podemos fazer nesta fase?

  • Oferecer -lhe uma variedade de coisas para brincar – com formas, cores, texturas e materiais diferentes.

  • Ser companheiros e conversar, sorrir, cantar e mexer em seus pés e mãos.

  • Ler um livro enquanto mostra as imagens (procure livros com várias texturas para que o bebê possa interagir e descobris através do toque)

  • Deixe-o concentrar: se ele está tentando pegar um objeto, quando ele conseguir, não diga nada, apenas observe. Muitas vezes o nosso “Oba, muito bem, você conseguiu!” desvia a atenção do bebê e ele deixa o objeto de lado, deixa também de aprender e se desenvolver mais com aquilo.

  • Coloque objetos do cotidiano, como pratos e copos de plástico sempre disponível (ao alcance). Uma gaveta na cozinha com tigelas de plástico (sempre inofensivos, cuidado!) podem render um tempo de interação e brincadeira enquanto você prepara o jantar.

A criança pequena – verdadeiros construtores!

Quando começam a querer brincar de construir coisas, uma nova fase se inicia. Agora nossas crianças pensam como arquitetos , construtores, padeiros e pintores. Blocos estão empilhados, o papel todo preenchido, tudo feito com entusiasmo e concentração. As crianças começam a criar algo novo.

A partir dos 18 meses, as crianças irão lhe oferecer pedaços de lego para comer, melhor aceitar e dizer que está uma delícia!

O que nós podemos fazer nesta fase?

  • Deixar papel e lápis de cor disponível. Massinha também!

  • Oferecer um brinquedo e tempo para que elas possam brincar. As crianças possuem um ritmo diferente do nosso e se querem construir uma torre, por exemplo, deixem-as construir sozinhas. É claro que nós faríamos bem mais rápido, mas nossa fase já passou. Agora é vez delas!

  •  As crianças não gostam de brincar sozinhas em seu quarto. Por isso, fique por perto ou deixe que brinquem na cozinha, na sala ou no escritório.

  • Continuem com os livros (na verdade, não parem mais!), a leitura é importante para a imaginação, lógica, afetividade e muito mais.

A criança com 3 anos ou mais – fantasiar é a lei!

Quando a criança domina melhor a linguagem, começa a fase dos jogos que precisam de um ou mais jogadores. Na maioria das vezes, é preciso irmos às compras e voltarmos com um jogo de memória, dominó de bichinhos e fantoches na sacola.

Nesta fase as crianças começam a querer mandar, dar ordens e estipular as regras. Quer saber? Não deixa não! Mostre, com carinho e paciência, os limites da sua casa.

Há um grande avanço no seu vocabulário e, assim melhoram as habilidades de comunicação da criança. É uma boa oportunidade para processar as suas próprias experiências e vivências, portanto podemos conversar sempre com elas, isso cria um vínculo que deve ser mantido para sempre. Trocar papéis e fantasiar é uma oportunidade lúdica e criativa na hora desse prosa…

O que nós podemos fazer nesta fase?

  • Deixe a criança usar roupas da mamãe e do papai, perceba se ela tenta agir como nós, se ela é capaz de entender nossos diferentes papéis.

  • Crie oportunidade para que elas brinquem com outras crianças.

  • Permita que tenha tempo e tranquilidade para brincar e não interrompa desnecessariamente.

  • Dê-lhe tantas vezes quanto possível, a oportunidade de correr ao redor da casa, no quintal ou no parque. Isso melhora não só as habilidades motoras (grossa e fina), como fortalece o sistema imunológico. Com pedras, folhas, areia, elas podem brincar muito bem.

Crianças com 6 anos – Eu que ganhei!

Os jogos de regras entram cada vez mais em ação, e agora a única preocupação é saber quem foi o vencedor! Mais do que querer ganhar, as crianças desenvolvem capacidade de raciocínio, lógica e desenvolvimento estratégico durante a brincadeira.

Quanto mais a criança brincar, mais aprenderá. Ela também começa a lidar com a questão emocional: alegria , orgulho, frustração, tristeza, euforia, uma chuva de novos sentimentos aparecem. E, muitas vezes, tornam-se uma tormenta se não forem resolvidos.

No jogo, as crianças podem aprender a lidar melhor com esses sentimentos. Sempre digo aos meus filhos: “Se você não está preparado para perder, também não está preparado para jogar!”. Afinal, jogar é escolher ter o risco da derrota. Mas nem todos sabem lidar com isso, por isso o papel dos pais é fundamental.

Para que uma brincadeira não acabe em choro, ou com pecinhas voando para o outro lado da sala, nós podemos ajudar da seguinte forma:

  • Respeitar a idade sugerida dos jogos. Demanda excessiva leva ao estress e lágrimas. (Claro, cada um conhece seu filho e sabe o que dá para antecipar ou não).

  • Comprar Jogos que também lhe agradam. Afinal, brincar com um jogo chato faz tudo perder a graça. Descubra junto com seu filho jogos que sejam divertidos para vocês dois!

  • Esclarecer as regras antes de começar o jogo.

  • Optem sempre por jogos de tabuleiro! Observem quanto de conversa acontece num jogo de vídeo game e quanto de conversa acontece durante uma partida de UNO, por exemplo. É mais saudável e divertido!

Nenhum pai precisa ser animador de festa nem expert em jogos e brincadeiras. Mas saber o momento que seu filho está e oferecer aquilo que dá prazer a ele é importante pois ajuda-o no seu desenvolvimento.

A relação do brincar com o desenvolvimento psíquico e cognitivo é comprovado, portanto vamos criar mais oportunidades de diversão aos nossos filhos. E eu não estou falando de brinquedos caros. Afinal, nosso tempo e algumas pedras do jardim são de graça, já o resultado… Bem, este não tem preço!

Fotor022712145

5

Tempo de Carnaval!!

Olá mamães!

Sábado as crianças pensaram na possibilidade de fazermos uma festa de carnaval aqui em casa. Achamos a iniciativa legal e passamos o domingo todo organizando e tendo idéias para a festinha, que acontecerá aqui em casa no sábado de manhã!

Aqui na Alemanha o carnaval também é comemorado, tem desfiles e tudo. Existem cidades que decretam férias escolares no período. Durante os desfiles, todos usam fantasias e são distribuídas balas para os foliões! A cidade de Colônia (Köln) é super conhecida pela festança. Fotor022422494

Nessa época, qualquer mercado que você entrar vai encontrar fantasias, perucas e acessórios para o “Karneval”, como é conhecido aqui. Os preços são bem acessíveis e todo mundo experimenta a fantasia na loja mesmo, o que acaba virando uma diversão!

Achei legal compartilhar com vocês essa nossa experiência mesmo antes de realizá-la. Quem sabe vocês não se sintam inspiradas e organizam uma matinê com os filhotes e seus coleguinhas em casa ou no salão de festas do prédio!? Ainda da tempo!

Vejam o “passo a passo” da nossa organização!

1. Lista de convidados: Estipulamos que o Gi e a Me poderiam escolher para a nossa festa, quatro amiguinhos cada um, afinal, somando todos teremos 10 crianças pulando carnaval dentro de um apartamento!

2. Convites: Passamos a manhã do domingo recortando, desenhando e enfeitando nossos convites. A festa será no sábado das 10:00 ao 12:00. Eles ficaram assim: Fotor0224231563. Cômodos permitidos: A festa está liberada para acontecer apenas nas salas e no quarto de brincar. Fecharemos as portas dos outros cômodos, caso contrário minha cama vai virar um trampolim!

4. Músicas: Nós temos alguns CDs de músicas de carnaval do ano passado, inclusive esse aqui, que adoramos: PC027-BAIXA5. Comidinhas: As crianças foram pensando nas comidinhas e nós fomos orientando para que fosse algo mais saudável. A festa acontecerá cedo, então teremos um cardápio simples de café da manhã. Vejam só:

  • Espetinho de frutas
  • Milho cozido
  • Bolo de cenoura
  • Pão de forma com requeijão, presunto e queijo
  • Suco de cenoura com limão e laranja

6. Brincadeiras: Faremos um desfile de fantasias, pintura no rosto, fotografias divertidas e uma mini gincana.

Mas a principal dica é:

Arrastem os móveis, enrolem o tapete e não esqueçam de tirar tudo o que quebra da sala!!!

Segunda que vem conto como foi… Beijos e boa diversão!

11

Organizando festa de aniversário infantil – Roteiro Completo

Olá mamães, o assunto de hoje é pura diversão!!!

E como gosto disto! Organizar festas e eventos é algo prazeroso para mim. Que eu me lembre, faço isso desde os meus 10 ou 11 anos de idade, meus amigos não me deixam mentir! Foram festas juninas no prédio, aniversários surpresas, a festa da minha formatura da oitava série, feiras de turismo no colégio, meu casamento, aniversário das crianças e agora, o casamento da minha irmã.

Mas nem só de sorrisos é feito um evento. Os preparativos podem ser chatos se não forem bem planejados. Por isso, se organize e deixe o stress longe da sua festa! Seguindo o roteiro passo a passo do Super Mammy, você garante a diversão e ainda evita o desperdício de tempo, dos “comes e bebes” e do dim dim.

Passo a Passo:

1. Estipule o budget. O quanto planejou para gastar na festa é o que vai influenciar nas escolhas dos próximos itens, por isso deve ser a primeira coisa a se pensar. Lembre-se que para as crianças tudo é festa, então não gaste além. Dá para fazer bonito com o pouco.

2. Faça uma lista de convidados. Qual a ideia, chamar apenas as crianças da escola ou toda a família? Separe uma folha e escreva o nome de todos os convidados. Depois, conte e anote em vermelho: número de crianças até 2 anos, número de crianças a partir de 3 anos e a quantidade de adultos.

3. Escolha um data e um horário. Pegue o calendário, pense na data certa, certificando-se que não possui nenhum evento no dia da festa e no dia anterior (preparativos). A hora da festa vai depender da idade do aniversariante. Não é legal cantar parabéns com a criança dormindo no seu colo ou quase! Por isso, pense bem antes de escrever os convites.

4. Procure um lugar. Pode ser em casa, chácara ou salão. Depois de ter feito a lista, você já sabe o número de convidados e pode definir o tamanho do espaço que precisa. Caso escolha fazer fora de casa, em uma chácara ou salão de festas, faça um orçamento com no mínimo três lugares diferentes e vá visitá-los. Fotos na internet enganam. Uma vez fui conhecer um local, realmente era bonito, mas tinha um cheiro desagradável demais. Aqui vale o famoso “ver para crer”!

5. Aluguel de mesas e cadeiras. Assim que “encontrar o lugar certo” e fechar a data, ligue e faça a reserva das mesas e cadeiras. Para um número de 50 convidados, por exemplo, você vai precisar de 14 a 16 mesinhas de quatro lugares (convidados, mesa do bolo, doces e som). Lembre-se que a criançada não para muito sentada, às vezes só para para comer o bolo e olhe lá. Alugar somente a cadeira para eles pode ser bom, além de economizar espaço e dinheiro.

6. Pense em um tema. Na verdade, diga para seu filho pensar em um. Não esqueça que a festa é para ele. Vale dar sugestões e passar algumas horas imaginando com eles ideias. Gosto de temas simples e originais, como festa junina, café da tarde ou café da manha, festinha das flores ou dos transportes aéreos, por exemplo. Mas isso é muito pessoal. Assim que escolher o tema, você pode ir até o google imagens e digitar “tema de festa infantil Sininho”, por exemplo. Vão aparecer muitas dicas sobre o tema.

7. Convites. Local, data, horário e tema escolhidos? Sim! Então a vez do convite chegou! Experimente fazer você mesmo. Com a colaboração do aniversariante o convite ficará mais especial ainda. Deixe-o escrever no convite ou fazer um desenho se a criança não souber, ainda, escrever. Para os pequeninhos, pintar as pontas dos dedinhos com tinta para pintura facial como assinatura é uma ótima ideia. Coloque os principais dados (endereço, dia, horário, idade do aniversariante e, para quem quiser, a confirmação da presença).

8. Escolha o cardápio. Com o tema definido, agora é hora de calcular as comidas, bebidas e bolo. A quantidade vocês verão na tabelinha que fiz para vocês. Para quase todos os tipos de festa o cardápio salgadinhos, hot-dog, pipoca, bolo e docinhos é uma ótima opção. Mas você pode acrescentar o que quiser (nuggets, batata frita, maionese de legumes, lanche de metro, algodão doce, gelatina, sorvete de palito,…) . Para um cardápio típico, como nos temas fazendinha, festa junina, cocoricó, galinha pintadinha, café da manhã/tarde e outros, pode-se acrescentar paçocas, bolo de fubá, milho cozido, pé de moleque, cuscuz, caldinho de feijão, lanche de pernil. Hum… deu água na boca!! Sobre as bebidas pode comprar sucos, água, todinhos, água de coco e refrigerantes. Não compramos cerveja nas festinhas das crianças, mas isso é nossa opção, cada um é quem sabe.

9. Organize a decoração. Nessa hora vale a pena pensar: “vou decorar a festa para quem?”. Aqui na Alemanha, como as festas são “só” para as crianças, percebi que que não perco mais tanto tempo com a decoração como perdia fazendo as festinhas no Brasil. E isso me levou a refletir sobre os exageros na hora de decorar. Não precisa colocar a fotinho das crianças em tudo que vai oferecer (guardanapo, copinho,pratinho, garrafinhas, docinhos…), é bonito, mas muitas vezes o menos é mais! E, ainda, economizamos.

10. Organize as brincadeiras. Gaste mais tempo com isso. Aprendi por aqui que as crianças se divertem com brincadeiras e atividades organizadas previamente e vale tudo: gincanas, bingo, competição de perguntas, gritos de guerra, pintar camisetas ou telas. É divertidíssimo!

11. Produtos descartáveis. Papel toalha, velas para o bolo, guardanapos, copos descartáveis (para criança é ótimo por causa do perigo do copo de vidro), pratos, garfinhos, saquinhos de pipoca, de cachorro quente, toalhas de mesa, etc… Primeiro, pense no cardápio e depois, item a item vai imaginando como será servido, anotando tudo o que precisa comprar. A festa vai ser fora de casa? Não esqueça então de levar espátula de bolo e fósforo para velinha. Quanto comprar? Vejam na tabelinha que preparei logo mais.

12. Não esqueça do som. Pense qual aparelho de som levar e no tipo de música que irá tocar no aniversário da criançada! Sei que é do gosto de cada um, mas tem cada letra que assusta! Além disso, se o aparelho de som aceitar Pen Drive ou MP3, melhor ainda. Não precisará ficar trocando o CD a cada 30 minutos!! Prepare uma coletânea antes.

13. Caixa ou local para os presentes: Abrir ou não os presentes na hora da festa? Na minha época essa era a melhor hora, e os amiguinhos curtiam cada desembrulho junto comigo, principalmente minha irmã! rsrrs Bem, o outro lado é que se acriançada começar a brincar os presentes, podem perder pecinhas, trocar as caixas, sujar roupas, enfim, aquele fuzuê. Com meus filhos combino assim: podem desembrulhar para ver o que é durante a festa, e só depois dela, abri-los. Os presentes podem ser guardados em caixas grandes ou baús enfeitados, ou sob uma mesa.

14. Lembrancinhas. Opções aos montes existem por aí, combine com o tema e escolha a sua! Para quem fizer saquinho surpresa, uma dica é: nada de guloseimas! Coloque um bloquinho de papel, lápis de cor ou um livrinho e apenas um doce no saquinho.

15. Foto e filmagem: Primeira pergunta a fazer é: chamar um profissional ou não? Acho lindo! Mas tudo vai depender do dinheiro disponível para o evento. Caso escolha fotografar ou filmar sozinha, lembre-se de carregar as baterias e ter um cartão de memória com capacidade livre. Também, combine com alguém para fotografar para você na hora do parabéns.

16. Lixo reciclado: Na festa infantil se produz muito lixo descartável. Vamos reciclar estes plásticos? Não esqueça de espalhar pela festa lixinho ou saquinhos para os recicláveis, coloque uma plaquinha diferenciando-o do lixo comum.

Lembrem-se que o mercado oferece um mundo de opções, mas que você não precisa entrar na moda. Siga suas possibilidades e crie.

Curiosidade:

Aqui na Alemanha a maioria das crianças pode escolher uma quantidade certa de convidados. (Eu convido toda a classe e os pais ficam me perguntando se darei conta! rsrsrs) A regra que vale para a grande maioria dos alemães é chamar 1 criança para cada ano de vida do aniversariante. Portanto, se eu seguisse a regra, no próximo aniversário do meu filho ele poderia escolher oito amiguinhos e minha filha 6! Já o bebê…tadinho!

Aqui estão as tabelinhas, (são calculadas com a base: festa de 4 horas)

produtos (2)e

comes e bebes

Essa matéria ajudou? Escreva para Super Mammy e compartilhe sua experiência!

Beijinhos nos filhotes!

Galeria
2

Brincadeiras para o jantar!

10 Atividades para se divertir no Restaurante.

img_4493 (2)

Olá Mamães!

Criança quietinha é sinônimo de criança educada? Minha resposta é não!

E cada dia mais encontro crianças “quietinhas” por aí, principalmente quando saio para jantar ou almoçar fora de casa.

Qual o segredo? Como conseguir essa façanha?

Esse SEGREDINHO tem nomes: Ipad, DS, Mp3 , Celulares e seus milhares de aplicativos divertidos e bacaninhas que prendem a atenção da criançada, que ficam ali sentadas por horas, sem dar trabalho algum para os papais e mamães.

Quem é que não gosta? Problema resolvido para os dois lados. Criança feliz jogando. Papais e mamães contentes comendo.

Acharia isso uma ótima ideia se não me preocupasse tanto!

Utilizar os “brinquedinhos” eletrônicos como forma de “controlar” as crianças, sem estabelecimento de limite de tempo, uso e necessidade, é um caminho perigoso a trilhar.

Acho legal e oportuno oferecer esses recursos à criança em determinadas situações, como por exemplo em viagens longas.

Sei que existem vários aplicativos infantis interessantes e educativos, que se usado ponderadamente, podem acrescentar algo.

O lado ruim de tudo isso, aliás deixe-me por isso no PLURAL porque são muitos os pontos negativos, é que a criança que fica muito tempo no celular, DS, Ipad, ou o que for, está perdendo a oportunidade de se relacionar com outras crianças, conversar e se divertir com os pais e sua família, participar de um momento REAL em que outros presentes compartilham, seja em casa, durante uma viagem ou em um restaurante.

E os pais também perdem com isso, pois deixam de conversar com seus filhos sobre escola, amigos, gostos, ideias, pensamentos sobre determinados assuntos, além de influenciar negativamento na formação e consolidação do laço afetivo.

Acho triste quando vejo uma família passeando e observo os filhos, ou até mesmo os pais, grudados em seus aparelhinhos eletrônicos. Sinto tristeza porque muitos estão ali em silêncio, apenas fisicamente, perdendo a oportunidade de conversar, se divertir e apreciar a sua própria família.

É possível sair para jantar com as crianças, sem vídeo game ou celular, e ainda sim ser divertido e prazeroso!

Selecionei 10 brincadeiras que podemos fazer com a criançada na mesa do restaurante, estimulando o diálogo entre nós e nossos filhos.

Precisamos exercitar o hábito da conversa com nossos filhos desde pequenos, caso contrário não conseguiremos isso quando eles forem maiores.

Por isso, vamos sair para jantar e ser feliz!

10 brincadeiras para a mesa do restaurante:

Este slideshow necessita de JavaScript.