0

Rodízio de brinquedos: acabe com a bagunça do quarto!

O quarto de brincar das crianças vivia uma bagunça e o pior: eu percebi que eles nem brincavam mais com a maior parte dos brinquedos que tinham!

Para resumir era assim, iam para o quarto, tiravam tudo o que tinha nas caixas e depois que tudo estava no chão, a “brincadeira” acabava, dando início ao momento enrolação do dia: hora de guardar e organizar os brinquedos de volta!

Ficava naquele lenga lenga e a metade (ou mais) dos brinquedos era eu quem guardava. Essa história se repete aí na sua casa? Aqui quase me deixou doida!

Foi aí que pesquisando uma solução encontrei na metodologia montessoriana a ideia prática e funcional chamada: Rodízio de Brinquedos. Adaptei um monte de coisas, aproveitei outras e deu super certo aqui em casa. Querem ver como fiz?

(Antes de começar você deve saber que dá um pouco de trabalho, requer uma boa reorganização dos brinquedos, assim como disposição de móveis, prateleiras, etc…)

Como e por que o rodízio de brinquedos funciona?

Os brinquedos devem ser apresentados aos poucos. O rodízio funciona bem a cada 7, 15 ou 30 dias. Aqui em casa como as crianças são grandinhas (6 e 8 anos) realizo a troca de brinquedos a cada 30 dias. Com o meu menor, ainda não comecei, pois os brinquedos dele ficam em uma caixa na sala. Mas em pouco tempo, quando ele tiver mais ou menos 1 ano e meio, ele se juntará aos demais, e farei o rodízio dos brinquedos dele a cada 15 dias.

Funciona porque:

  • com a organização, fica mais fácil brincar. O lego perde o interesse, por exemplo, se as pecinhas estiverem espalhadas pelo quarto, se para montar qualquer coisa com o lego for preciso primeiro encontrar as pecinhas, as crianças preferem nem brincar.
  • a disponibilidade de brinquedos fica ao alcance da criança, então simplesmente ela vai sozinha, pega, brinca e guarda. Por isso deixe à mão apenas o suficiente, aquilo que cada criança consegue brincar e organizar. Tendo o alcance visual de tudo o que está disponível para brincar, a criança consegue esquematizar-se e não precisa ficar pedindo para ninguém pegar nada para ela.
  • a ideia do RODÍZIO, de trocar os brinquedos que estão à disposição da criança por aqueles guardados, desperta o interesse, como se aquele brinquedo fosse novo outra vez. Além disso, proporciona uma limpeza visual e a criança se concentra mais naquilo que está nas mãos.

Na prática eu fiz assim:

1º. Separei os brinquedos em caixas (pode ser cestas, potes de sorvete, prateleiras, etc.). Coloquei barbies numa caixa, Polly na outra, e assim por diante com todos os outros brinquedos, lego, carrinhos, brinquedos de cozinha, etc… (isso demorou uma tarde toda).

Fotor11172243462º. Expliquei a nova organização do quarto e a ideia do rodízio para as crianças, e eles me ajudaram a dizer quais brinquedos gostariam de deixar disponíveis e quais eu poderia guardar para a próxima troca.

3º. Mudamos alguns móveis do quarto de lugar e escolhemos o que seria o “armário proibido”. Como não tenho muito espaço para guardar os brinquedos do rodízio, escolhemos uma estante e tudo o que tem nela não é permitido brincar até a próxima troca. Deixem que as crianças se envolvessem na arrumação, ajudando a escolher o local, tipo de caixa, cantinho da leitura, etc… Esse é o segredo!

img_70514º No fim da história, ficaram disponíveis 2 caixas para cada criança (ou seja, dois temas: Barbie e Casinha, Lego e Beyblade), uma caixa de brinquedos de verão (temos que aproveitar, afinal o verão aqui dura tao pouco!), fantasias e livros (escolhemos 12 títulos que ficam disponíveis durante todo mês).

Importante! Deixe que as crianças escolham o que querem brincar, o querem ler, etc… nós devemos apenas ajudar para que eles consigam se organizar e aproveitar melhor os brinquedos e livros.

E assim  fizemos o nosso rodízio. Essa troca dos brinquedos à disposição pelos guardados ajudou muito (troque todos os brinquedos exceto aqueles que tem um valor sentimental forte para a criança!) De preferência, deve estar à disposição somente a quantidade de brinquedos que a criança, de acordo com cada idade, é capaz de organizar com facilidade. E ficou assim:

img_7084img_7083Hoje, mais de 4 meses depois da implantação do Rodízio de Brinquedos aqui em casa, sinto a diferença positiva dessa mudança. Minha menina, por exemplo, brinca bastante tempo de boneca, algo que antes era difícil de ver. Além disso, essa organização me ajudou com relação ao meu caçula, que hoje já anda por toda parte e coloca tudo na boca, afinal as pecinhas pequenas ficam guardadas e organizadas, proporcionando mais segurança para o baixinho. E o meu mais velho agora tem como meta ler todos os livros disponíveis naquele mês, se transformou num devorador de livros como ele mesmo diz.

Espero que tenham gostado, aqui em casa ajudou muito!

Beijos e até a próxima 🙂

Anúncios
0

Eba! A nossa festinha de Carnaval foi muiiito legal!

Quem disse que carnaval no frio é chato? Aqui em casa, a alegria esquentou os nossos pequenos foliões e deu um chega para lá no inverno gelado da Alemanha!

Fotor030603116

Preparamos uma matinê, afinal é tempo de carnaval! e foi bem interessante e divertido. Tudo bem que eu tive a ideia maravilhosa de dar para a criançada 3 sacos de confetes, o que rendeu muito trabalho para deixar tudo em ordem depois. Mas valeu! (Mesmo sabendo que vou encontrar confete pelos próximos meses em algum cantinho da casa).

Alemão é super, hiper, mega, pontual e 10:03 da manhã (a festinha foi das 10 ao meio dia) todas as crianças já estavam aqui. Então demos inicio às atividades. O que fizemos?

Desfile de fantasias

Logo que chegaram, fizemos uma roda e cada criança foi falando do que veio fantasiada, quem pensou na fantasia, se fizeram ou se compraram, etc… Também, podiam cantar, dançar, imitar um personagem, ou fazer um som. Gastamos uns 15 minutos nessa atividade.

Estátua

Depois, ligamos o som e dançamos à beça! Comprei um CD de músicas de carnavais alemãs e misturei com as músicas brasileiras, foi muito legal. Brincamos de estátua – aqui as crianças chamam essa brincadeira de Stop-Music.

Guerrinha de confetes

Com certeza a hora mais divertida da festa, é muito gostoso jogar confete para o alto. Principalmente sabendo que não precisa limpar – o que não era o meu caso, então reduz aí a minha alegria rsrs

Recriando o modelito

Pegamos a caixa de fantasias e acessórios lá do quarto de brincar e cada criança podia pegar o que quisesse para mudar a cara e o estilo da sua fantasia. Então, depois dessa transformação, estavam presentes na minha sala o “Darth Vader ciclista”, a “Índia chic indo às compras”, o “Mexicano loiro”, o “bebê macaco Chaplin”, o “jogador do Bayer ninja”, o “pirata só pirata mesmo”, o outro “Darth Vader cavalheiro da Contrada da Torre”, a “princesinha de guarda-chuva”, o “Crocodilo arqueiro” e eu, “fantasiada” de “mãe louca que chamou 10 crianças para bagunçar a la vonté seu apartamento”!

Pintura

As crianças aqui amam colorir, então toda festinha tem que ter tinta, telas de pintura ou papel, lápis e canetinhas. Foi legal e montamos um painel com todos os desenhos. Juro que a primeira coisa que um dos convidados (de 7 anos!!!!) fez no papel foi escrever funções matemáticas. Assustei geral! rsrsrs

Café da manhãFotor030610112

Depois da farra dos “AmendoBobos” (assistimos ontem ao filme do Bob esponja pela milésima vez, e rimos como se fosse a primeira, como sempre!) a criançada estava com fome e sede. Então, fizemos um café da manhã com espetinhos de frutas, palitos de queijo com tomate e só de queijo, lanchinhos com geleia de morango, outros com requeijão e queijo, suco… Deu tudo certo!

Brincadeira livre

Quando já era umas 11:40 deixamos as crianças livres para brincar no quarto de brinquedos ou na sala mesmo, juntando os confetes do chão e jogando tudo de novo para cima!!!! Fotor030605423

Os alemães, no geral, são muito gentis e prestativos. Só encontro gente adorável em nossos caminhos e agradeço muito. Afinal, morar num país longe da família e amigos não é uma tarefa simples. Todas as crianças trouxeram alguma coisa sem nós pedirmos: ganhamos flores, caixa de merengue, caixa de chocolate, um saquinho com conchas e pedrinhas, revistinhas para ler…

Meio dia os pais estavam pontualmente aqui em casa, maravilhados com nossa festança e espantados com a quantidade de confetes pelo chão rsrsrs

Avaliando a festinha, de 0 a 10, dou a nota 1000!!! Valeu muito, uma lembrança inesquecível para os meus filhos e para o papai, animador oficial da festa, que ficou assim depois da criançada ir embora: img_5478

0

Brincar é divertido e inteligente!

Desde os primeiros meses as crianças se envolvem com brincadeiras e jogos. É dessa forma que elas aprendem, se desenvolvem e interagem com o mundo. As crianças vão crescendo, muda-se a forma do brincar, mas ainda sim, a atividade favorita dos nossos filhos é explorar o mundo e aprender a navegar por ele .

Eu estava observando meu caçulinha (que completou seis meses hoje) brincar com uma simples etiqueta que recortei de uma blusa que estava pinicando muito!. Aquele olhar brilhante, um leve sorriso, uma concentração gigantesca para segurar, virar, lamber algo tao desajeitado e molengo.

Os bebês parecem apaixonados ao descobrirem o mundo. Também, encaram os jogos e brincadeiras como uma profissão, como aquilo que ele faz de melhor. Como se fosse uma necessidade inata da criança o desejo de brincar.

Tudo o que tem nas mãos de um bebê ou de uma criança, faz com que eles criem uma ponte que os ligam rapidamente até uma brincadeira. Colocar tigelas de plástico uma dentro da outra, desenhar com um pedaço de graveto na areia, dar algo para beber a uma boneca com um copo vazio, puxar as meias dos pés… tudo é motivo para brincadeira, tudo se transforma em aprendizado.

Nestes exemplos, é nítido observar a tentativa das crianças de desvendar os mistérios das coisas ao seu redor. Querem ter, sentir, cheirar, segurar e ouvir todas as pistas que as fazem explorar seu pequeno mundo e entendê-lo. E fazem isso brincando. Uma maravilha para o desenvolvimento mental, motor, emocional e social.

Para isso, os bebês – e também as crianças – precisam de espaço e de liberdade para explorar. Também, precisam de tempo, do quanto for suficiente para elas.

A ciência do desenvolvimento infantil nos revela que os bebês são a mais completa e incrível máquina de aprendizagem existente. Conseguem criar conexões neurais e aprendem rapidamente as coisas. Se uma criança pequena aperta o botão do abajur e a lâmpada ascende, e depois aperta novamente e a luz apaga, pronto, tem-se um novo “jogo”, uma nova brincadeira e, assim, uma nova tarefa de aprendizagem é revelada.

Os bebês – um mundo a conceber.

O primeiro brinquedo do bebê é o seu corpo . Ele brinca com os pés, examina suas mãos, experimenta o sabor dos seus dedinhos. Também é fascinado por tudo o que está em sua volta. Quer compreender o que acontece! Quer colocar tudo na sua boca, seja a meia suja do irmão ou uma colher na mesa de jantar.

Nesta etapa o bebê está aprendendo a entender o mundo: “se eu pegar o chocalho, escuto um som”, “se eu jogar a chupeta fora do carrinho, ficarei sem”, “se eu empurrar a porta, ela se abre” .

O que nós podemos fazer nesta fase?

  • Oferecer -lhe uma variedade de coisas para brincar – com formas, cores, texturas e materiais diferentes.

  • Ser companheiros e conversar, sorrir, cantar e mexer em seus pés e mãos.

  • Ler um livro enquanto mostra as imagens (procure livros com várias texturas para que o bebê possa interagir e descobris através do toque)

  • Deixe-o concentrar: se ele está tentando pegar um objeto, quando ele conseguir, não diga nada, apenas observe. Muitas vezes o nosso “Oba, muito bem, você conseguiu!” desvia a atenção do bebê e ele deixa o objeto de lado, deixa também de aprender e se desenvolver mais com aquilo.

  • Coloque objetos do cotidiano, como pratos e copos de plástico sempre disponível (ao alcance). Uma gaveta na cozinha com tigelas de plástico (sempre inofensivos, cuidado!) podem render um tempo de interação e brincadeira enquanto você prepara o jantar.

A criança pequena – verdadeiros construtores!

Quando começam a querer brincar de construir coisas, uma nova fase se inicia. Agora nossas crianças pensam como arquitetos , construtores, padeiros e pintores. Blocos estão empilhados, o papel todo preenchido, tudo feito com entusiasmo e concentração. As crianças começam a criar algo novo.

A partir dos 18 meses, as crianças irão lhe oferecer pedaços de lego para comer, melhor aceitar e dizer que está uma delícia!

O que nós podemos fazer nesta fase?

  • Deixar papel e lápis de cor disponível. Massinha também!

  • Oferecer um brinquedo e tempo para que elas possam brincar. As crianças possuem um ritmo diferente do nosso e se querem construir uma torre, por exemplo, deixem-as construir sozinhas. É claro que nós faríamos bem mais rápido, mas nossa fase já passou. Agora é vez delas!

  •  As crianças não gostam de brincar sozinhas em seu quarto. Por isso, fique por perto ou deixe que brinquem na cozinha, na sala ou no escritório.

  • Continuem com os livros (na verdade, não parem mais!), a leitura é importante para a imaginação, lógica, afetividade e muito mais.

A criança com 3 anos ou mais – fantasiar é a lei!

Quando a criança domina melhor a linguagem, começa a fase dos jogos que precisam de um ou mais jogadores. Na maioria das vezes, é preciso irmos às compras e voltarmos com um jogo de memória, dominó de bichinhos e fantoches na sacola.

Nesta fase as crianças começam a querer mandar, dar ordens e estipular as regras. Quer saber? Não deixa não! Mostre, com carinho e paciência, os limites da sua casa.

Há um grande avanço no seu vocabulário e, assim melhoram as habilidades de comunicação da criança. É uma boa oportunidade para processar as suas próprias experiências e vivências, portanto podemos conversar sempre com elas, isso cria um vínculo que deve ser mantido para sempre. Trocar papéis e fantasiar é uma oportunidade lúdica e criativa na hora desse prosa…

O que nós podemos fazer nesta fase?

  • Deixe a criança usar roupas da mamãe e do papai, perceba se ela tenta agir como nós, se ela é capaz de entender nossos diferentes papéis.

  • Crie oportunidade para que elas brinquem com outras crianças.

  • Permita que tenha tempo e tranquilidade para brincar e não interrompa desnecessariamente.

  • Dê-lhe tantas vezes quanto possível, a oportunidade de correr ao redor da casa, no quintal ou no parque. Isso melhora não só as habilidades motoras (grossa e fina), como fortalece o sistema imunológico. Com pedras, folhas, areia, elas podem brincar muito bem.

Crianças com 6 anos – Eu que ganhei!

Os jogos de regras entram cada vez mais em ação, e agora a única preocupação é saber quem foi o vencedor! Mais do que querer ganhar, as crianças desenvolvem capacidade de raciocínio, lógica e desenvolvimento estratégico durante a brincadeira.

Quanto mais a criança brincar, mais aprenderá. Ela também começa a lidar com a questão emocional: alegria , orgulho, frustração, tristeza, euforia, uma chuva de novos sentimentos aparecem. E, muitas vezes, tornam-se uma tormenta se não forem resolvidos.

No jogo, as crianças podem aprender a lidar melhor com esses sentimentos. Sempre digo aos meus filhos: “Se você não está preparado para perder, também não está preparado para jogar!”. Afinal, jogar é escolher ter o risco da derrota. Mas nem todos sabem lidar com isso, por isso o papel dos pais é fundamental.

Para que uma brincadeira não acabe em choro, ou com pecinhas voando para o outro lado da sala, nós podemos ajudar da seguinte forma:

  • Respeitar a idade sugerida dos jogos. Demanda excessiva leva ao estress e lágrimas. (Claro, cada um conhece seu filho e sabe o que dá para antecipar ou não).

  • Comprar Jogos que também lhe agradam. Afinal, brincar com um jogo chato faz tudo perder a graça. Descubra junto com seu filho jogos que sejam divertidos para vocês dois!

  • Esclarecer as regras antes de começar o jogo.

  • Optem sempre por jogos de tabuleiro! Observem quanto de conversa acontece num jogo de vídeo game e quanto de conversa acontece durante uma partida de UNO, por exemplo. É mais saudável e divertido!

Nenhum pai precisa ser animador de festa nem expert em jogos e brincadeiras. Mas saber o momento que seu filho está e oferecer aquilo que dá prazer a ele é importante pois ajuda-o no seu desenvolvimento.

A relação do brincar com o desenvolvimento psíquico e cognitivo é comprovado, portanto vamos criar mais oportunidades de diversão aos nossos filhos. E eu não estou falando de brinquedos caros. Afinal, nosso tempo e algumas pedras do jardim são de graça, já o resultado… Bem, este não tem preço!

Fotor022712145

5

Tempo de Carnaval!!

Olá mamães!

Sábado as crianças pensaram na possibilidade de fazermos uma festa de carnaval aqui em casa. Achamos a iniciativa legal e passamos o domingo todo organizando e tendo idéias para a festinha, que acontecerá aqui em casa no sábado de manhã!

Aqui na Alemanha o carnaval também é comemorado, tem desfiles e tudo. Existem cidades que decretam férias escolares no período. Durante os desfiles, todos usam fantasias e são distribuídas balas para os foliões! A cidade de Colônia (Köln) é super conhecida pela festança. Fotor022422494

Nessa época, qualquer mercado que você entrar vai encontrar fantasias, perucas e acessórios para o “Karneval”, como é conhecido aqui. Os preços são bem acessíveis e todo mundo experimenta a fantasia na loja mesmo, o que acaba virando uma diversão!

Achei legal compartilhar com vocês essa nossa experiência mesmo antes de realizá-la. Quem sabe vocês não se sintam inspiradas e organizam uma matinê com os filhotes e seus coleguinhas em casa ou no salão de festas do prédio!? Ainda da tempo!

Vejam o “passo a passo” da nossa organização!

1. Lista de convidados: Estipulamos que o Gi e a Me poderiam escolher para a nossa festa, quatro amiguinhos cada um, afinal, somando todos teremos 10 crianças pulando carnaval dentro de um apartamento!

2. Convites: Passamos a manhã do domingo recortando, desenhando e enfeitando nossos convites. A festa será no sábado das 10:00 ao 12:00. Eles ficaram assim: Fotor0224231563. Cômodos permitidos: A festa está liberada para acontecer apenas nas salas e no quarto de brincar. Fecharemos as portas dos outros cômodos, caso contrário minha cama vai virar um trampolim!

4. Músicas: Nós temos alguns CDs de músicas de carnaval do ano passado, inclusive esse aqui, que adoramos: PC027-BAIXA5. Comidinhas: As crianças foram pensando nas comidinhas e nós fomos orientando para que fosse algo mais saudável. A festa acontecerá cedo, então teremos um cardápio simples de café da manhã. Vejam só:

  • Espetinho de frutas
  • Milho cozido
  • Bolo de cenoura
  • Pão de forma com requeijão, presunto e queijo
  • Suco de cenoura com limão e laranja

6. Brincadeiras: Faremos um desfile de fantasias, pintura no rosto, fotografias divertidas e uma mini gincana.

Mas a principal dica é:

Arrastem os móveis, enrolem o tapete e não esqueçam de tirar tudo o que quebra da sala!!!

Segunda que vem conto como foi… Beijos e boa diversão!

0

Manhêê, cadê minha infância? Adultização infantil.

Olá mamães!

Estava vendo alguns sites de roupas e me deparei com imagens de crianças imitando adultos. Super maquiadas, de salto alto, com roupas nada infantis. Meninas pequenas que mais pareciam mini mulheres. Pesquisando mais, me deparei com os concursos de beleza para criança. Então pensei: estamos voltando no tempo, certeza.

Antigamente, séculos atrás, não existia esse sentimento de infância. As crianças eram apenas mini adultos. Vestiam-se como os mais velhos e logo aprendiam uma função a fazer. Sem escola, sem direitos, sem tempo para brincar. A história da criança é bonita, porque década após década, ela foi ganhando espaço e cultivando o direito que melhor lhe cabe para esta fase: o de brincar!

Como disse Gilbert Keith Chesterton, “A maravilha da infância é que para eles tudo é maravilha.”

Observando essas histórias de concurso de beleza infantil, penso que estamos voltando na história. Inventando “ridiculisses” para que as crianças percam cada vez mais cedo a maravilha da infância.

Mas por de trás de cada “mini mulher”, existe uma mãe e um pai. E isso é espantoso, porque estão fazendo algo de muito mal aos seus próprios filhos. Quando falo em adultização infantil, me refiro a estas posturas, vejam:

adultizacao infantil

A adultização infantil passa por várias esferas: consumismo, rotina cheia de compromissos, vaidade exagerada, sendo essa última o foco da minha indiguinação momentânea.

Afinal, podemos ver nas fotos crianças super maquiadas, artificialmente bronzeadas, que desfilam em trajes de banho para juízes adultos dizerem se elas são bonitas ou não. Sim, me parece um absurdo.

Gostaria de perguntar para essas mães que incentivam suas filhas a participarem de desfiles de modelos, concursos de miss infantil, cinema, televisão, ou o que for: “queridas mães, não acham esse exagero doentio? Qual a vantagem em crescer tão rápido?

Sabemos que há sempre alguém ganhando com berrações que tentam colocar em nossas vidas, em nossa rotina. E esse ganho é enorme! Hoje, podemos encontrar produtos anti envelhecimento para crianças de 8 a 12 anos de idade! Kit infantil com esfoliadores faciais! Sutiãns com bojo para meninas a partir de 6 anos!

A indústria ganha dinheiro. Nossas crianças perdem a infância. Precisamos salvá-la para que o mundo ainda tenha jeito. Exagero?

A brincadeira faz parte da infância, e possibilita o desenvolvimento da área cognitiva, biológica, motora, social e afetiva. Tudo o que acontece nessa fase é fundamental para o resto da vida de uma pessoa, uma vez que sua personalidade e seu caráter estão em formação.

Pular esta etapa da infância ou antecipar a vida adulta é um equívoco que deixa sequelas problemáticas. A infância existe e é preciso respeitá-la.

Mas como saber o limite entre o exagero e a vaidade infantil?

O fantasiar faz parte da vida, faz parte do faz de conta infantil. Enquanto for brincadeira é saudável passar batom, por exemplo. A partir do momento que isso vira rotina, que isso vira lei, “Ai ela não sai de casa sem fazer as unhas!”, então, temos o exagero.

Crianças perdendo horas em salão para fazer as unhas toda a semana, sim, parar mim isso é exagero. Na maior parte da vida nós somos adultos, vamos deixar nossas crianças serem “apenas” crianças. E para isso elas precisam de tempo. Tempo para brincar!

A Super Mammy.

Às mamães ansiosas para verem suas filhotas crescerem, deixo essa música lindinha: “Tente entender”, do Palavra Cantada.