8

Primeiro post do ano: Ser mãe pela quarta vez!

Queridas mamães…

Fevereiro está chegando ao fim e é a primeira vez que sento para escrever um post aqui no blog. Motivos para o atraso? Ser mãe já bastaria, certo? Afinal nossa vida é dividida entre várias vidinhas, e o tempo é um bem valioso para nós … e escasso!

Mas meus motivos são outros, afinal, já estava adaptada a vida de ser mãe de três. Minha agenda estava organizada e a casa já tomava um ritmo gostoso de tardes tranquilas e noites bem dormidas. Então veio a ideia de mudar para uma casa, afinal as crianças queriam muito um quintal. Com a mudança surgiu também a Síndrome de Tietze, me “presenteando” com uma terrível dor no peito que poderia durar de semanas a anos, graças a Deus estou melhor. Como me esquecer da dor do falecido dente do Siso? Impossível. Foi uma extração inevitável. E em meio a esses imprevistos da vida, somado a rotina corrida de uma mãe de três que não pode parar por nada e por dor nenhuma, eis que o resultado deu positivo pela quarta vez.

Sempre quis ser mãe de 4. E quando digo sempre é sempre mesmo. Quando a família e os amigos ficaram sabendo da gravidez as duas frases que mais ouvi além de “meus parabéns” foram:

1. Você sempre disse que queria ter quatro!

2. Como você é corajosa!

🙂 E as duas frases são verdadeiras. Precisa ter coragem para ser mãe nos tempos de hoje. Cuidar, proteger, educar, amar e depois deixar voar nesse mundão gigante… é preciso ter fibra e garra. Toda mãe é a coragem em pessoa.

Já ter quatro filhos, bem essa história mudou depois que meu terceiro parto foi cesária outra vez. Partir para uma quarta cesária nunca fez parte dos meus planos. Então três crianças correndo pela casa estava bom demais.

A história mudou depois dessa surpresa. Surpresinha boa que cresce saudável a cada dia e que em breve estará entre nós. Mas a preocupação com uma quarta cesária ainda está aqui, queridas amigas. Ser mãe de três ou de quatro, de cinco… não me assusta. Educar é uma arte e eu amo essa difícil tarefa de ser mãe. Mas quatro cesárias me assusta. Alguém aí do outro lado já passou por isso? Conhece alguém que passou?

Estou aproveitando cada momento, estou disposta, com energia, as dores diminuíram muito, a fase dos enjoos passou e eu nem senti, a mudança de casa está quase terminando, e agora posso voltar a escrever aqui no blog! 🙂

Então continuem acompanhando… porque conversar sobre filhos e trocar experiências nos engrandece e eu preciso muiiiitttto ainda aprender!

Beijinhos!

Do poeta Kalil Gibran para todas nós:

“Teus filhos não são teus filhos,
são filhos e filhas da vida.

Anelando por si própria,
vem através de ti, mas não de ti.

E embora estejam contigo, a ti não pertencem.

Podes dar-lhes amor mas não teus pensamentos, pois eles têm seus pensamentos próprios.

Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas, pois suas almas residem na casa do amanhã, que não podes visitar se quer em sonhos.

Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procureis fazei-los semelhante a ti, pois a vida não recua, não se retarda no ontem.

Tu és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados. Que a tua inclinação na mão do Arqueiro seja para alegria.”