0

As 10 poesias mais lindas sobre “Mães”! ♡

Você já parurlou para pensar que se tem alguma coisa no mundo que ninguém dúvida é do amor que uma mãe sente pelo seu filho? Que de 1000 pessoas, 1001 dirá que uma mãe deveria ser eterna? Que não há carinho mais sincero, desejos mais profundos e nem renúncia maior contidos no interior de um coração materno? Algo de mágico acontece quando uma mulher se torna mãe. E essa magia não pode ser explicada, apenas sentida!

O blog da Super Mammy gostaria de homenagear todas as mamães do mundo, especialmente vocês, queridas amigas e leitoras. Para isso selecionou as 10 poesias mais lindas que revelam as maravilhas desse ser abençoado, desse anjo disfarçado chamado: Mãe.

1. Para Sempre, de Carlos Drummond de Andrade
“Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
– mistério profundo –
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.”

2. Mãe, de Mario Quintana
MÃE…
São três letras apenas,
As desse nome bendito:
Três letrinhas, nada mais…
E nelas cabe o infinito
E palavra tão pequena-confessam mesmo os ateus-
És do tamanho do céu
E apenas menor do que Deus!

3. escrito por Rui Barbosa
“Se um dia, já homem feito e realizado, sentires que a terra cede a teus pés, que tuas obras desmoronam, que não há ninguém à tua volta para te estender a mão, esquece a tua maturidade, passa pela tua mocidade, volta à tua infância e balbucia, entre lágrimas e esperanças, as últimas palavras que sempre te restarão na alma: minha mãe, meu pai.”

4. de Khalil Gibran (minha preferida e inspiradora poesia!)
“Teus filhos não são teus filhos
São filhos e filhas da vida, anelando por si própria
Vem através de ti, mas não de ti E embora estejam contigo, a ti não pertencem.
Podes dar-lhes amor mas não teus pensamentos,Pois que eles tem seus pensamentos próprios.
Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas Pois que suas almas residem na casa do amanhã, Que não podes visitar se quer em sonhos. Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procureis fazei-los semelhante a ti, Pois a vida não recua, não se retarda no ontem.
Tú és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados… Que a tua inclinação na mão do Arqueiro seja para alegria.”

5. Mãe, de Cora Coralina
Renovadora e reveladora do mundo
A humanidade se renova no teu ventre.
Cria teus filhos,
não os entregues à creche.
Creche é fria, impessoal.
Nunca será um lar
para teu filho.
Ele, pequenino, precisa de ti.
Não o desligues da tua força maternal.
Que pretendes, mulher?
Independência, igualdade de condições…
Empregos fora do lar?
És superior àqueles
que procuras imitar.
Tens o dom divino
de ser mãe
Em ti está presente a humanidade.
Mulher, não te deixes castrar.
Serás um animal somente de prazer
e às vezes nem mais isso.
Frígida, bloqueada, teu orgulho te faz calar.
Tumultuada, fingindo ser o que não és.
Roendo o teu osso negro da amargura.”

imagem1

6. Poema à Mãe, de Eugènio de Andrade
“No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe
Tudo porque já não sou
o retrato adormecido
no fundo dos teus olhos.
Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais.
Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.
Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura.
Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos.
Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!
Olha — queres ouvir-me? —
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;
ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;
ainda oiço a tua voz:
Era uma vez uma princesa           no meio de um laranjal…
Mas — tu sabes — a noite é enorme,
e todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber,
Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.
Boa noite. Eu vou com as aves. ”

7.Pequeno Poema, de Sebastião da Gama
“Quando eu nasci,
ficou tudo como estava.
Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve estrelas a mais…
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.
Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.
As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém…
Pra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe…”

8. Mater, de Olavo Bilac
“Tu, grande Mãe!… do amor de teus filhos escrava,
Para teus filhos és, no caminho da vida,
Como a faixa de luz que o povo hebreu guiava
À longe Terra Prometida.
Jorra de teu olhar um rio luminoso.
Pois, para batizar essas almas em flor,
Deixas cascatear desse olhar carinhoso
Todo o Jordão do teu amor.
E espalham tanto brilho as asas infinitas
Que expandes sobre os teus, carinhosas e belas,
Que o seu grande dano sobe, quando as agitas,
E vai perder-se entre as estrelas.
E eles, pelos degraus da luz ampla e sagrada,
Fogem da humana dor, fogem do humano pé,
E, à procura de Deus, vão subindo essa escada,
Que é como a escada de Jacó.”

9.Poema à Mãe Angolana, de Eugénia Neto
“Avança Mãe Angolana
E dá o melhor de ti própria
Nesta luta de vida ou de morte
Avança pelos rios perigosos
Pelos pântanos lodosos
Pela savanas sem fim
Avança pelo incomensurável horror da guerra
Entre a chuva de bombas que ilumina a terra
Mas avança porque é necessário
Avança com teus braços feitos asas
Abertas sobre o solo pátrio
Para proteger os teus filhos
Não te detenhas nos gemidos do vento
Não prendas à forma das flores
Sublima o amor neste momento
Avança Mãe Angolana
Que a tua coragem fará vacilar os soldados
Os soldados que já foram meninos
Os soldados
A que o fascismo tolheu a vontade
E que caminham sobre os cadáveres das crianças
Com risos sarcásticos de vingança…
Avança Mãe Angolana
Na terra ensopada de sangue
Dor e lágrimas
Causadas pela guerra
Que ela florescera
Sustentada pelo teu querer
E terás para os teus filhos
O sol aberto nas pétalas
E a serenidade dos heróis
Depois de ganha a batalha.”

10. Minha Mãe, do grupo Turma do Balão Mágico.
“Hoje é um dia tão especial
Pra você
Que não dá pra esquecer
Em vez de comemorar eu queria te agradecer
Por tudo o que me fez
Você me viu nascer, crescer e andar
E a cada passo meu cuidava de mim
Me ensinou tudo o que eu sei
E muito mais
E agora é hora de dizer o que aprendi
Minha mãe
O que passou por mim ninguém vai passar
Minha mãe
Eu sei o que sofreu por mim sem reclamar
Você daria a vida por mim
Só pra me defender
Faria qualquer coisa por mim sem se arrepender
Esse é o dom de amar que Deus te deu
Minha mãe
Valeu pelo carinho e atenção
Minha mãe
Valeu do fundo do meu coração
Pra você o seu maior presente fui eu
Então saiba que pra mim nós somos iguais
Pois você é o melhor dos presentes que Deus me deu”.

image_largeTodas as imagens desse post são quadros da pintora alemã que tanto gosto: Paula Modersohn-Becker. Ela viveu entre 1876 e 1907, cresceu em Bremen (uma cidade aqui perto da minha) e se tornou uma das representantes mais precoces do movimento expressionista. Hoje é considerada a pintora da maternidade! 

url2

Um ótimo dia das mães para todas nós,

Com todo o carinho do blog para você!

asupermammy.com

facebook.com/asupermmay

Anúncios
6

Primeiro post do ano: Ser mãe pela quarta vez!

Queridas mamães…

Fevereiro está chegando ao fim e é a primeira vez que sento para escrever um post aqui no blog. Motivos para o atraso? Ser mãe já bastaria, certo? Afinal nossa vida é dividida entre várias vidinhas, e o tempo é um bem valioso para nós … e escasso!

Mas meus motivos são outros, afinal, já estava adaptada a vida de ser mãe de três. Minha agenda estava organizada e a casa já tomava um ritmo gostoso de tardes tranquilas e noites bem dormidas. Então veio a ideia de mudar para uma casa, afinal as crianças queriam muito um quintal. Com a mudança surgiu também a Síndrome de Tietze, me “presenteando” com uma terrível dor no peito que poderia durar de semanas a anos, graças a Deus estou melhor. Como me esquecer da dor do falecido dente do Siso? Impossível. Foi uma extração inevitável. E em meio a esses imprevistos da vida, somado a rotina corrida de uma mãe de três que não pode parar por nada e por dor nenhuma, eis que o resultado deu positivo pela quarta vez.

Sempre quis ser mãe de 4. E quando digo sempre é sempre mesmo. Quando a família e os amigos ficaram sabendo da gravidez as duas frases que mais ouvi além de “meus parabéns” foram:

1. Você sempre disse que queria ter quatro!

2. Como você é corajosa!

🙂 E as duas frases são verdadeiras. Precisa ter coragem para ser mãe nos tempos de hoje. Cuidar, proteger, educar, amar e depois deixar voar nesse mundão gigante… é preciso ter fibra e garra. Toda mãe é a coragem em pessoa.

Já ter quatro filhos, bem essa história mudou depois que meu terceiro parto foi cesária outra vez. Partir para uma quarta cesária nunca fez parte dos meus planos. Então três crianças correndo pela casa estava bom demais.

A história mudou depois dessa surpresa. Surpresinha boa que cresce saudável a cada dia e que em breve estará entre nós. Mas a preocupação com uma quarta cesária ainda está aqui, queridas amigas. Ser mãe de três ou de quatro, de cinco… não me assusta. Educar é uma arte e eu amo essa difícil tarefa de ser mãe. Mas quatro cesárias me assusta. Alguém aí do outro lado já passou por isso? Conhece alguém que passou?

Estou aproveitando cada momento, estou disposta, com energia, as dores diminuíram muito, a fase dos enjoos passou e eu nem senti, a mudança de casa está quase terminando, e agora posso voltar a escrever aqui no blog! 🙂

Então continuem acompanhando… porque conversar sobre filhos e trocar experiências nos engrandece e eu preciso muiiiitttto ainda aprender!

Beijinhos!

Do poeta Kalil Gibran para todas nós:

“Teus filhos não são teus filhos,
são filhos e filhas da vida.

Anelando por si própria,
vem através de ti, mas não de ti.

E embora estejam contigo, a ti não pertencem.

Podes dar-lhes amor mas não teus pensamentos, pois eles têm seus pensamentos próprios.

Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas, pois suas almas residem na casa do amanhã, que não podes visitar se quer em sonhos.

Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procureis fazei-los semelhante a ti, pois a vida não recua, não se retarda no ontem.

Tu és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados. Que a tua inclinação na mão do Arqueiro seja para alegria.”

 

1

Independência – O caminho que nossos filhos precisam trilhar desde pequenos … e sozinhos.

Muita gente pensa que quando os filhos nascem pouco tempo sobra para fazermos algo por nós mesmas. Na verdade, muitas mães acabam caindo numa dinâmica de stress na hora de educar os filhos. Conciliar a criançada com trabalho, casa e tudo mais, pode levar qualquer uma a beira da loucura!

Mas se analisarmos com calma as nossas práticas enquanto mães, educadoras e gestoras de um lar, veremos que muitos dos problemas são criados por nós mesmas. È duro de ouvir, mas é verdade. Quer ver só? Birra. Qual é mãe que nunca ouviu falar dela? A birra é um chiliquento e barulhento exemplo de um problema mantido por nós mesmas. asupermammy.com

Além da birra, hábitos como arrumar a cama, tirar os pratos da mesa, servir a comida para as crianças, trocá-los, penteá-los depois do banho, guardar os brinquedos, e tanto outros que diariamente fazemos automaticamente nos tomam tempo, energia e paciência.

Porque não atribuir pequenas e grandes tarefas a eles?

Você se encontra na situação de não ter tempo para nada? Então é hora de analisar quais das milhares das atividades que você faz todos os dias que podem ser feitas pelos seus filhos… sozinhos. Acredite, eles são capazes. No começo pode sair meio desajeitado, mas depois tudo se acerta.

Crianças gostam de fazer as coisas sozinhas. Colocar a comida no prato então, nossa a criançada se sente um adulto importante. Parece bobo? Esse sentimento de satisfação em cumprir uma tarefa sozinho e bem feita nunca desaparece de nós.

Por que não criar uma rotina diária de responsabilidades para as nossas crianças?

Faça uma lista e converse com eles, comece por algo na cozinha, diga que agora eles são grandinhos e conseguem fazer muitas coisas. Qual a idade para começar? Quantos antes melhor! Experimente ler: BABY LED WEANING

Uma criança independente sabe se virar melhor com os problemas da escola, entre os coleguinhas ou irmãos, e levam essa lição para toda a vida. Mas não se engane, o limite que damos aos nossos filhos e a firmeza com que cumprimos com nossa palavra os guiam nesse caminho da autonomia. Deixá-los agirem  independentemente não quer dizer criar filhos que não precisam de nós. Significa que precisamos aumentar a moldura do quadro, para que eles possam criar, agir, pintar e bordar em uma plano ainda mais amplo.

Domingo deixei meus mais velhos (8 e 6 anos) fazerem um bolo de caixinha totalmente sozinhos. Da escolha dos ingredientes a limpeza no final. Ajudei na hora do forno, afinal dar a oportunidade para eles serem independentes não quer dizer colocá-los em risco. E o resultado foi nota 10, nem sujaram muito e eu saboreei além do bolo, a delícia de vê-los satisfeitos em terem preparado sozinhos o nosso café da tarde. Fotografei a turma, vejam só:

asupermammy.com

Então é isso, nada de ficar andando pela casa pegando os brinquedos todos pelos chão. Eles podem fazer isso sozinhos. E você ganha mais tempo ao longo do dia para cuidar de si.

Termino com uma frase que li no livro “Crianças francesas não fazem manha”,  retirada de uma canção infantil francesa:

“Os pequenos peixes na água nadam tao bem quanto os grandes!”

Beijos e até a próxima!!

Já curtiu nossa página no facebook? http://www.facebook.com/asupermammy

2

Penteados para as mamães arrasarem até o fim da festa!

Penteados para as mamães arrasarem até o fim da festa? Hã? Como assim?

Esses dias fui a um aniversário e deixei meu cabelo bem bonito, solto e penteado. A festa estava ótima, as crianças se divertiram, conversei com os amigos, brinquei com as crianças, comida saborosa, tudo nota mil!

Quando vi as fotos no dia seguinte, quase caí do sofá. Eu estava totalmente descabelada! Também, ficar arrumada do início ao fim de uma festa não é lá uma missão tão simples para uma mãe de três!

Retocar o batom? Não dá. Até porque muitas vezes vou para a festa sem bolsa mesmo. Mala do bebê, carrinho, máquina fotográfica. Muita coisa para levar e sempre esqueço do batom. Menos quando saio com minha super mochila, vejam em “O que não pode faltar na bolsa da mãe”.

Passar no banheiro, olhar no espelho e ajeitar o penteado? Geralmente estou com um bebê no colo e uma fralda do outro lado. Até vejo que estou desarrumada, mas precisaria de uma terceira mão para conseguir dar uma ajeitadinha no visual!

Durante a festa é aquela agitação. Abaixa aqui, levanta ali, segura um, dá comida para outro e o cabelo armando… Então pensei comigo: Festa de cabelo solto? Agora só vou quando eu tiver uma babá ou quando eles crescerem um pouquinho mais.

Como os sapatos de salto alto já estão pegando pó aqui em casa, não posso relaxar mais! Então separei uns penteados fáceis, bonitos e PRESOS para poder usar e ficar bem na foto até o fim da festa!

O que acham desses aqui?

Eu gostei. Mas sou péssima quando o assunto é penteado e maquiagem. Não faço direito em mim e nem em ninguém. Pode ser que o resultado saia pior do que se eu fosse com o cabelo solto mesmo. Aí eu seria descabelada do início ao fim.

Este post teria sido encerrado no parágrafo acima, se não fosse a sabedoria infantil. Eis que minha filha apareceu aqui na sala e conversa vai, conversa vem, acabei mostrando as fotos dos penteados para ela e expliquei um pouquinho sobre este post. Ela disse que sou sempre linda (ai como a gente se derrete, né? Mesmo sabendo que é mentira!) e ainda disse que poderia me ajudar.

Então combinados assim: toda vez que eu estiver despenteada ela vem me arrumar. Mas se esse negócio de arruma aqui penteia ali ficar chato, nós vamos apenas nos divertir, nos esbaldar até ficarmos mais e mais descabeladas, desarrumadas e pingando.

E não é que ela está certa?!

Afinal de contas que graça tem chupar sorvete sem toda aquela meleca? O que seria da manga sem aquele sorriso bonito cheio de fiapos? Mais vale uma roupa suja de tanto brincar, do que limpinha e passada guardada na gaveta.

A infância voa e eu quero voar com eles.

Beijinhos e até a próxima!

 

0

As angústias de uma mãe na primeira viagem da filha com a escola. Reflexões de um coração apertado!

Os filhos crescem, eu sei. É normal, é natural, faz parte da vida, que assim seja para sempre, se Deus quiser. Mas em determinados momentos da vida, em certas ocasiões, o coração de uma mãe se aperta em ver o filho crescer, quase sempre com a sensação de que tudo está passando depressa demais.

Essa é uma daquelas noites difíceis de dormir. Amanhã cedinho minha filha vai viajar com a escola e voltará sábado, logo no dia seguinte. Ela só tem 5 anos e eu quase disse não para este evento. Mas a vontade dela era tanta, ela estava tão cheia de expectativas que não pude negar essa alegria a ela.

Aqui na Alemanha tenho a sensação de que os pais são mais tranquilos e cuidam de seus filhos para que eles sejam logo independentes. Isso é bom, mas ser assim ainda é uma dificuldade para mim. Levo e busco na escola meu filho mais velho, de 8 anos, enquanto crianças da mesma idade já vão para a escola há muito tempo sozinhas.

Aqui é bem comum ver crianças pequenas indo para escola ou voltando para casa de bicicleta, enquanto seus pais as seguem de carro. É uma espécie de treinamento para ver como a criança se comporta, se sabe o caminho e as regras de trânsito. Acho interessante, prático e educativo. Mas por um bom tempo, ainda vou levá-los comigo.

Essa diferença cultural tem muito haver com o pós guerra. Naquela época os alemães foram convidados e motivados a reconstruírem o país. Vi um documentário interessante esses dias que mostrou como a Alemanha se reergueu com a ajuda de seu povo. Muitas crianças ficavam em casa sozinhas enquanto seus pais estavam construindo o país. E isso impactou na cultura e mudou a dinâmica familiar dessa nação.

Como não nasci na Alemanha e ainda por cima tenho sangue di una vera mama italiana, encontro dificuldades em soltar os filhos no mundo. Mas estou progredindo, afinal minha filha vai se esbaldar de tanto brincar amanhã, em um parque com piscina e tudo, depois de viajar de ônibus para outra cidade só com a turminha do kindergarden!

E eu vou ficar em casa, com o coração apertado, como se um pedacinho de mim estivesse se desgrudando. E está. Quem disse que ser mãe é escolher ter o coração para sempre do lado de fora estava certo. Pode parecer um exagero, um drama desnecessário, um filme de amor dos mais chinfrins, mas vai cutucar os ovinhos de um ninho e conhecerás a fúria de uma mãe coruja.

Essa sou eu. Essa somos nós, mães de coração mole. Para vocês deixo esse mimimi todo e um poema lindo como recompensa por terem me ouvido. Os filhos crescem e isso é muito bom!

“Teus filhos não são teus filhos,
são filhos e filhas da vida.

Anelando por si própria,
vem através de ti, mas não de ti.

E embora estejam contigo, a ti não pertencem.

Podes dar-lhes amor mas não teus pensamentos, pois eles têm seus pensamentos próprios.

Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas, pois suas almas residem na casa do amanhã, que não podes visitar se quer em sonhos.

Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procureis fazei-los semelhante a ti, pois a vida não recua, não se retarda no ontem.

Tu és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados. Que a tua inclinação na mão do Arqueiro seja para alegria.”

do poeta Kalil Gibran.

A super mammy.com

9

100 coisas que mudaram na minha vida depois dos filhos.

01. Agora sei que a felicidade mora dentro das pequenas coisas.

02. Sair de cabelo molhado é sinônimo de que pelo menos deu para tomar um banhozinho.

03. A sala já não é mais a mesma.

04. Dou muito mais valor a minha mãe e ao meu pai.

05. Unhas feitas não são mais prioridades.

06. Um piquenique no parque significa muito mais do que um jantar num restaurante chique.

07. É possível que ao sentar no sofá eu escute um barulho de pato vindo de algum brinquedo esquecido embaixo da almofada.

08. Ganhei peso.

09. Qualquer rabisco num papel desenhado por eles é uma obra de arte.

10. Vejo uma sucata e já imagino um brinquedo.

11. Sair para jantar com o marido, 60% do assunto é sobre os filhos.

12. Vou ao cinema para assistir Lego ou Barbie.

13. Repito algumas frases da minha mãe.

14. Fazer acampamento na sala nunca foi tão divertido, mesmo que no dia seguinte eu fique toda dolorida.

15. Levo bem menos da metade do tempo para me arrumar.

16. Agora tenho dois tipos de sabão para roupas na minha lavanderia.

17. Não posso dar mais carona para ninguém por causa das 3 cadeirinhas no carro.

18. Na minha bolsa agora tem Band Aid.

19. A alimentação ficou mais saudável.

20. Saio para dar uma renovada no meu guarda roupa e volto com uma sacola cheia de conjuntos infantis.

21. Música agora é “Pecorruchos na Fazenda”. Tá, às vezes rola uma galinha pintadinha.

22. Tenho medo de morrer e não educar eles do meu jeito, com meus valores e princípios.

23. Aprendi a dizer não.

24. Quando penso em férias a primeira coisa que digito no google é: Hotéis para ir com crianças.

25. A pilha de roupas para lavar triplicou.

26. E para passar também.

27. Tomo banho com um bebê dentro do banheiro e ainda tenho que ficar o tempo todo fazendo palhaçada para o chororô não começar.

28. Como feijão para dar bom exemplo. Mas quiabo ainda não.

29. Agora eu ouço: “Mãe, limpa eu”. Não que isso seja legal.

30. Na minha penteadeira tem um perfume da Moranguinho e um do Batmam.

31. Acordo a noite para ver se meus pequenos estão respirando.

32. A insônia sumiu.

33. Nunca fui tão grata a Deus.

34. Compro mais livros para as crianças do que para mim.

35. Durmo tarde e acordo cedo, afinal não tem outro jeito.

36. Tem desenhos das crianças pendurados pela casa toda.

37. Não posso simplesmente cuidar só de mim.

38. Não usei perfume enquanto amamentei.

39. Comecei a comer sopa! Isso é um milagre, perguntem para minha mãe.

40. Tenho muito medo de perder alguém.

41. Fiquei mais forte e encaro com coragem o que vier pela frente.

42. Dirijo até a escola, futebol, capoeira, dança e música e nenhuma dessas atividades são para mim.

43. Chego com três crianças na academia (santa brinquedoteca!)

44. Cuido mais da minha saúde.

45. Na hora de dormir, demora menos de 1 segundo para eu entrar em estado de sono profundo.

46. Quando o dia está ensolarado (o que não é muito comum aqui na Alemanha) fico animada e penso: “Hoje as roupas vão secar que é uma beleza!”

47. Engulo mais sapos.

48. Vou ao céu com um: “você é a melhor mamãe do mundo!”

49. Aqueles presentinhos do dia das mães na escola me levavam ao choro. (Não que eu não chore mais, é que aqui na Alemanha não se comemora dia das Mães e dia dos Pais nas escolas).

50. Purê com Salsicha e molho tomate entrou para o cardápio da semana.

51. Mudei o trabalho para Home Office.

52. Enchi minha casa de regras e às vezes me pego cometendo alguma infração.

53. Tenho uma gaveta só de pratos, copos, potes e talheres de plásticos. Tudo colorido, claro.

54. Meu medo de altura triplicou e se eles chegam a 100 metros de algo que tenha mais de 1/2 metro de altura, quase tenho um infarto.

55. No meu porta mala tem sempre uma bola, dois patinetes e um carrinho de bebê.

56. Por mais que o sono tornou-se pesado, acordo com qualquer mosquinha no quarto das crianças.

57. Agora sei e sinto que intuição de mãe é verdadeira.

58. Sempre repito para mim mesma com orgulho: Mãe é mãe!

59. Meu escritório se resumiu a uma escrivaninha num cantinho da sala para dar lugar ao quarto de brincar.

60. Compro mais jogos de tabuleiro e me divirto muito jogando com a família.

61. Nunca mais viajei sem crianças.

62. Passei a beber bem menos coca cola.

63. Vivo contando as histórias de quando eu era criança para meus filhos, e isso tem me trazido boas recordações.

64. Gravamos um Cd de MP3 para o carro e entre Laura Pausini, Dream Theather e Michael Bublé tem a trilha sonora do Bolt, o Super Cão.

65. Certeza que 75% dos filmes aqui de casa são de crianças, mas eu amo quase todos.

66. Choro muito e até evito assistir Toy Store 3 só de imaginar quando chegar a minha vez de esvaziar o quarto do meu filho quando ele for para faculdade ou casar.

67. Fico com saudade das crianças quando elas estão dormindo.

68. Quando estou sozinha – o que é muitíssimo raro – fico até perdida e esqueço que posso fazer as unhas ou ler um livro.

69. Tenho mais paciência, mas quando a perco, me arrependo.

70. Não sou mais consumista.

71. O lixo reciclável aqui em casa aumentou.

72. Leio muito mais rótulos dos produtos alimentares.

73. Levo um álcool gel e um lencinho umedecido sempre comigo.

74. Experimento antes tudo o que as crianças vão comer, até as papinhas industrializadas.

75. Pintar virou um Hobby.

76. Cozinho com um bebê grudado no meu pé.

77. Consigo conversar no telefone mesmo com alguém querendo colo e duas crianças te chamando ao mesmo tempo.

78. Agora tenho um calendário pendurado na cozinha com os horários da semana, antes nem agenda eu tinha.

79. Não fico mais horas no telefone com as amigas.

80. Agora meus pais são avôs, mesmo que óbvio e natural, não deixa de ser especial.

81. Sou mais unida ao meu marido e vemos nossa família como um time.

82. As paredes possuem marcas de mãos e algumas letras rabiscadas.

83. Aprendi que rotina faz bem para crianças.

84. Acho que criança tem que brincar mas já pode assumir pequenas responsabilidades em casa.

85. Nunca tive um cabelo tao cumprido, pois com a correria esqueço de marcar cabeleireiro para mim!

86. Não julgo tanto as atitudes de outras mães.

87. Passei a revelar as fotos digitais e montar álbuns.

88. Agora tenho dois blogs.

89. Comprei outra sapateira.

90. No banco de trás do carro tem brinquedos pendurados.

91. Ver meu filho sair da escola e abrir o maior sorrisão ao me ver não tem preço.

92. Demoro muito mais para escolher presentes para crianças.

93. Descobri que não existe fragrância melhor do que o cheirinho de filho.

94. O Pequeno Príncipe com suas frases geniais se tornou leitura anual obrigatória para mim, pois me faz ver um pouquinho do mundo pelo olhar de uma criança.

95. Ganhei mais uma profissão: cabeleireira exclusiva da franjinha da minha filha.

96. Os produtos de limpeza subiram 3 prateleiras e agora para pegá-los até eu preciso de um banquinho. Mas prefiro assim.

97. Ser responsável por mais três crianças no mundo me deixa entusiasmada.

98. A televisão fica desligada no fim de semana, a menos quando optamos por um “cineminha com pipoca” em casa.

99. Retomei meu Hobby de colecionar e colar figurinhas.

100. Ficar em casa todo mundo junto se tornou uma das melhores coisas da vida. Aproveito muito isso porque sei que um dia eles crescerão. Beijo, abraço, aperto, cheiro, brinco, escuto, converso … sempre serei mãe, mas nem sempre eles serão crianças.

Minha vida mudou, e para melhor! E a de vocês? Grande beijo

1

Conheça o produto contra estrias que está fazendo o maior sucesso. Funciona mesmo, eu testei!

Quando o assunto é estria toda mulher se interessa, isso porquê ninguém está livre desses tao indesejáveis risquinhos que teimam em aparecer em nossas peles. Então, qualquer novidade no mercado a gente fica de olho e torce para que seja milagroso!!

Na minha primeira gravidez eu tive estrias. Muitas. Mesmo dormindo untada de óleo de amêndoas e usando o produto que minha dermatologista indicou, um creminho carinho chamado “Mater Skin”, elas apareceram e vieram para ficar.

Fiquei bem chateada por um bom tempo. Chorei, afinal quando meu primeiro filho nasceu eu tinha 22 anos e queria minha barriga bonita de volta. Mas fui levando, me acostumando, e então a minha segunda gravidez chegou. E junto com ela… sim, mais estrias!

As estrias que surgiram não eram novas, e sim continuações das antigas. Antes elas ficavam bem abaixo do umbigo, depois da 2ª gestação, uma ou outra teve o atrevimento de ultrapassar a altura do umbigo. Chato! Confesso que nessa segunda gravidez não caprichei tanto nos cremes.

Logo depois que minha bebê nasceu, fiquei chateada também. E na época sempre me vinha em mente a abdominoplastia (cirurgia plástica para a retirada das estrias e, também, gordurinhas). Tinha vontade de fazer, mas não tinha coragem – aliás, não tenho até hoje.

Então , tentei vários cremes e alguns tratamentos com ácido retinóico, peelings e luz pulsada. A cada tratamento ou creme comprado tinha a sensação de mais uma vez jogar dinheiro fora. Pouco ou quase nenhum resultado visível acontecia. Foi aí que desencanei. Comprei um maiô e fui curtir a praia e piscina com meus filhos sem me incomodar muito.

No fundo, a vontade de ter uma barriga bonita estava lá e ainda está, mas fui me acostumando. Então, minha terceira gravidez chegou e foi aí que eu conheci o melhor creme de estrias que já testei em quase 8 anos de procura!! Mustela – esse é o nome.

Mas antes de indicar para todas as amigas e primas grávidas eu sempre digo: não existe milagre contra estrias, nem tratamento 100% eficaz, elas simplesmente aparecem e ficam para sempre. Porém, é possível melhorar e muito o aspecto da pele com estrias e o Mustela me ajudou muito.

mustela1-500x500O creme é esse aqui. Fábricado na França pelo laboratório Expanscience, o creme possui um poder penetrante que atinge as camadas mais profundas da pele estimulando a produção de colágeno e a síntese das fibras de elastina. A vitamina B5 e o gluconato de cobre favorecem a regeneração dos tecidos, contribuindo para o processo de cicatrização das estrias novas e antigas!

Preço salgado.

No Brasil o produto pode ser comprado nas grandes farmácias por aproximadamente 140 reais, 75 ml. O meu chama-se exatamente “Mustela Grossesse 9 Mois – Vergetures Double Action. Eu comprei na Itália e paguei 19 euros. Durante os 9 meses de gestação + 4 meses pós parto, eu usei um total de 4 frascos com 150 ml cada.

O resultado?

Minhas estrias melhoraram muito, muito mesmo. E praticamente não surgiu nenhuma na terceira gravidez. Claro que cada pele reage de uma forma, mas na minha deu certo. Eu testei e aprovei. Hoje, não penso mais na cirurgia. Claro que quero ficar bonita, quem não quer? Mas aprendi que se eu correr atrás da saúde, o resto vem junto!