0

Crianças tristes.

Está nas manchetes dos jornais, revistas e blogs: estamos a formar uma geração de crianças infelizes! Quando escuto essa frase sinto um arrepio e uma angústia no peito ao ver uma quantidade enorme de pais e mães compartilhando lindos textos sobre a “infância infeliz”, mas refletindo tão pouco sobre o seu papel nisso tudo. A infância construída hoje nos revela valores enraizados em coisas e não em pessoas. Talvez essas crianças terão dificuldades no futuro? Acredito que sim; no mínimo, trarão muitos problemas para ele.
O que me espanta é ver a grande quantidade de pais surpresos e brevemente assustados com as notícias da tal geração triste: “Ora, por que tanta tristeza, afinal essas crianças têm tudo?”. E eu me pergunto: tudo o que? Talvez seja essa a chave que abre as portas para uma infância sadia: saber qual o Valor dado às coisas, às pessoas e aos momentos.
Crianças só querem saber de Shopping! Para muitos pequenos, passear é sinônimo de ir ao shopping tomar um lanchinho no MC. Quem as levam? Sim, seus pais.
Crianças não largam o tablete por nada, vivem hipnotizadas! Quem compra os tabletes, quem permite o seu uso ilimitadamente? Sim, seus pais.
Crianças que só usam tênis se for da nike! Que sentem vergonha de sair sem uma camiseta de grife! Ora, quem é que acrescentou tanto valor para as coisas de marca? Sim, seus pais.
Crianças cada dia mais adultas! Quem é que leva menina de 6 anos para fazer unha toda semana no salão? Sim, seus pais.
Crianças que chegam na sua casa e perguntam a senha do WiFi!  Quem é que comprou o celular para essas crianças e/ou permitiu seu uso em todos os lugares?  Sim, seus pais.
Ora, mães e pais, para que o espanto? Por que se chocar com a notícia de que as crianças estão cada dia mais tristes? Vejo que essas crianças se tornaram adultos pequenos. Voltamos na história! E precisamos urgentemente repensar a infância de hoje. Nós somos MÃES E PAIS e devemos agir como tal. Com responsabilidade, inteligência e comprometimento.
Mas antes de repensar  essa infância quase perdida, talvez seja importante começar a repensar si próprio, a refletir sobre o que é importante para você, qual é o peso do consumismo em sua vida, quem são seus ídolos, o que você valoriza. Pais, vocês são exemplos, são espelhos e segundo as manchetes, andam radiando tristeza para as crianças.
Vamos, salvem seus filhos, é mais simples e mais barato do que imagina!

Shopping? Não, por favor. A felicidade das crianças está escondida nas praças e nos quintais.

Celulares, Tabletes? Não, obrigada. Crianças precisam de abraços, de contato humano, de conversa jogada fora.

Grifes e Marcas? Não, não preciso. O Valor está nas pessoas, nos animais, na natureza, na pipoca no potinho, no jogo de tabuleiro, na VIDA que passa e não volta mais.

boy-529067_1280

asupermammy.com

facebook.com/asupermammy

Anúncios
0

O que nossos filhos precisam mesmo?

Bom dia,

Semana passada estava deitada fazendo repouso. Repouso pode ser bom, tirar aquela sonequinha a tarde quase impossível é bom também. Mas parece que quando precisamos descansar por ordem médica, nosso corpo e nossa mente começam a ter faniquitos!

Nada de dormir, de relaxar … só pensamentos assim: “Meu Deus tenho que fazer isso, tenho que fazer aquilo” ou “O bebê chegará e ainda nem tenho o berço!” (pior que é verdade!) e por que não “ai que vontade de limpara a casa, arrumar os armários”… Vontades que só veem quando estamos assim, em repouso.

Mas enfim, em uma dessas crises de pensamentos agitados e nada de sono, comecei a pensar em tudo o que meus filhos tem e fazem, e se isso realmente era importante para o crescimento deles. Foi aí que pensei em uma lista, gravei tudo no celular e montei mais tarde a tabelinha aí abaixo para eu refletir sempre que possível.

Coloquei na fanpage e as mamães gostaram. Então resolvi deixar aqui no blog para vocês também 🙂

1599553_441010252744951_6102961587871606760_o

Gostaram?

No fim é verdade… a criança é simples, para que complicarmos?

Ótima semana para todas vocês ;*

facebook.com/asupermammy

asupermammy.com

0

As 10 poesias mais lindas sobre “Mães”! ♡

Você já parurlou para pensar que se tem alguma coisa no mundo que ninguém dúvida é do amor que uma mãe sente pelo seu filho? Que de 1000 pessoas, 1001 dirá que uma mãe deveria ser eterna? Que não há carinho mais sincero, desejos mais profundos e nem renúncia maior contidos no interior de um coração materno? Algo de mágico acontece quando uma mulher se torna mãe. E essa magia não pode ser explicada, apenas sentida!

O blog da Super Mammy gostaria de homenagear todas as mamães do mundo, especialmente vocês, queridas amigas e leitoras. Para isso selecionou as 10 poesias mais lindas que revelam as maravilhas desse ser abençoado, desse anjo disfarçado chamado: Mãe.

1. Para Sempre, de Carlos Drummond de Andrade
“Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
– mistério profundo –
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.”

2. Mãe, de Mario Quintana
MÃE…
São três letras apenas,
As desse nome bendito:
Três letrinhas, nada mais…
E nelas cabe o infinito
E palavra tão pequena-confessam mesmo os ateus-
És do tamanho do céu
E apenas menor do que Deus!

3. escrito por Rui Barbosa
“Se um dia, já homem feito e realizado, sentires que a terra cede a teus pés, que tuas obras desmoronam, que não há ninguém à tua volta para te estender a mão, esquece a tua maturidade, passa pela tua mocidade, volta à tua infância e balbucia, entre lágrimas e esperanças, as últimas palavras que sempre te restarão na alma: minha mãe, meu pai.”

4. de Khalil Gibran (minha preferida e inspiradora poesia!)
“Teus filhos não são teus filhos
São filhos e filhas da vida, anelando por si própria
Vem através de ti, mas não de ti E embora estejam contigo, a ti não pertencem.
Podes dar-lhes amor mas não teus pensamentos,Pois que eles tem seus pensamentos próprios.
Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas Pois que suas almas residem na casa do amanhã, Que não podes visitar se quer em sonhos. Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procureis fazei-los semelhante a ti, Pois a vida não recua, não se retarda no ontem.
Tú és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados… Que a tua inclinação na mão do Arqueiro seja para alegria.”

5. Mãe, de Cora Coralina
Renovadora e reveladora do mundo
A humanidade se renova no teu ventre.
Cria teus filhos,
não os entregues à creche.
Creche é fria, impessoal.
Nunca será um lar
para teu filho.
Ele, pequenino, precisa de ti.
Não o desligues da tua força maternal.
Que pretendes, mulher?
Independência, igualdade de condições…
Empregos fora do lar?
És superior àqueles
que procuras imitar.
Tens o dom divino
de ser mãe
Em ti está presente a humanidade.
Mulher, não te deixes castrar.
Serás um animal somente de prazer
e às vezes nem mais isso.
Frígida, bloqueada, teu orgulho te faz calar.
Tumultuada, fingindo ser o que não és.
Roendo o teu osso negro da amargura.”

imagem1

6. Poema à Mãe, de Eugènio de Andrade
“No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe
Tudo porque já não sou
o retrato adormecido
no fundo dos teus olhos.
Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais.
Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.
Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura.
Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos.
Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!
Olha — queres ouvir-me? —
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;
ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;
ainda oiço a tua voz:
Era uma vez uma princesa           no meio de um laranjal…
Mas — tu sabes — a noite é enorme,
e todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber,
Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.
Boa noite. Eu vou com as aves. ”

7.Pequeno Poema, de Sebastião da Gama
“Quando eu nasci,
ficou tudo como estava.
Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve estrelas a mais…
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.
Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.
As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém…
Pra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe…”

8. Mater, de Olavo Bilac
“Tu, grande Mãe!… do amor de teus filhos escrava,
Para teus filhos és, no caminho da vida,
Como a faixa de luz que o povo hebreu guiava
À longe Terra Prometida.
Jorra de teu olhar um rio luminoso.
Pois, para batizar essas almas em flor,
Deixas cascatear desse olhar carinhoso
Todo o Jordão do teu amor.
E espalham tanto brilho as asas infinitas
Que expandes sobre os teus, carinhosas e belas,
Que o seu grande dano sobe, quando as agitas,
E vai perder-se entre as estrelas.
E eles, pelos degraus da luz ampla e sagrada,
Fogem da humana dor, fogem do humano pé,
E, à procura de Deus, vão subindo essa escada,
Que é como a escada de Jacó.”

9.Poema à Mãe Angolana, de Eugénia Neto
“Avança Mãe Angolana
E dá o melhor de ti própria
Nesta luta de vida ou de morte
Avança pelos rios perigosos
Pelos pântanos lodosos
Pela savanas sem fim
Avança pelo incomensurável horror da guerra
Entre a chuva de bombas que ilumina a terra
Mas avança porque é necessário
Avança com teus braços feitos asas
Abertas sobre o solo pátrio
Para proteger os teus filhos
Não te detenhas nos gemidos do vento
Não prendas à forma das flores
Sublima o amor neste momento
Avança Mãe Angolana
Que a tua coragem fará vacilar os soldados
Os soldados que já foram meninos
Os soldados
A que o fascismo tolheu a vontade
E que caminham sobre os cadáveres das crianças
Com risos sarcásticos de vingança…
Avança Mãe Angolana
Na terra ensopada de sangue
Dor e lágrimas
Causadas pela guerra
Que ela florescera
Sustentada pelo teu querer
E terás para os teus filhos
O sol aberto nas pétalas
E a serenidade dos heróis
Depois de ganha a batalha.”

10. Minha Mãe, do grupo Turma do Balão Mágico.
“Hoje é um dia tão especial
Pra você
Que não dá pra esquecer
Em vez de comemorar eu queria te agradecer
Por tudo o que me fez
Você me viu nascer, crescer e andar
E a cada passo meu cuidava de mim
Me ensinou tudo o que eu sei
E muito mais
E agora é hora de dizer o que aprendi
Minha mãe
O que passou por mim ninguém vai passar
Minha mãe
Eu sei o que sofreu por mim sem reclamar
Você daria a vida por mim
Só pra me defender
Faria qualquer coisa por mim sem se arrepender
Esse é o dom de amar que Deus te deu
Minha mãe
Valeu pelo carinho e atenção
Minha mãe
Valeu do fundo do meu coração
Pra você o seu maior presente fui eu
Então saiba que pra mim nós somos iguais
Pois você é o melhor dos presentes que Deus me deu”.

image_largeTodas as imagens desse post são quadros da pintora alemã que tanto gosto: Paula Modersohn-Becker. Ela viveu entre 1876 e 1907, cresceu em Bremen (uma cidade aqui perto da minha) e se tornou uma das representantes mais precoces do movimento expressionista. Hoje é considerada a pintora da maternidade! 

url2

Um ótimo dia das mães para todas nós,

Com todo o carinho do blog para você!

asupermammy.com

facebook.com/asupermmay

0

Os 3 maiores erros na hora de educar nossos filhos.

Bom dia, queridas leitoras.

Hoje acordei pensativa e me lembrei de uma grande lição. Há alguns anos atrás, no curso de pedagogia na faculdade de educação da Unicamp, ouvi uma professora dizer aquilo que seria para mim a principal linha na hora de educar os meus filhos.

Não sou uma mãe que segue à risca uma metodologia de como educar os filhos, ou que escolhe uma teoria e que nunca sai da rotina por nada nessa vida. Não acredito que exista um segredo ou um método mágico que nos ajude a dar um jeito na sapequice dos nossos filhos. Muito menos uma dica, ou uma frase em um livro que seja capaz de resolver todos os nossos problemas na busca por uma educação tranquila, justa e próspera.

Na verdade eu sempre encarei a educação de filhos como algo tranquilo e sem mistérios: o que a criança vê, ela faz; o que a criança escuta, ela absorve e compreende; a criança vai até onde permitimos.

Para esclarecer sobre a questão das diversas metodologias existentes: são super importantes e seus estudos sobre o comportamento infantil nos revelam surpreendentes descobertas e saberes que permeiam a busca por práticas que respeitem o desenvolvimento da criança e a valorização da infância.

Quando eu disse que não sigo à risca uma metodologia, quis dizer que acredito que cada família possui sua dinâmica, sua rotina e seus horários. Qual é o melhor método? Não sei, será que existe? O ser humano é único e o que eu levo para minha família pode ser diferente do que minha vizinha segue, e nem por isso uma está certa e a outra errada.

No meu caso adoro ler e aprender sobre Montessori e Waldorf (antroposofia) e sei que cada um desses métodos traz ideias de atividades inteligentes e interessantes para meus filhos, além de conversas produtivas sobre o desenvolvimento infantil e a infância com meu marido.

Cada criança é de um jeito, estou indo para o meu quarto filho e vejo diariamente como cada ser é único e possui sua própria individualidade, personalidade e temperamento desde pequeninos. Percebo que as atividades tocam meus filhos de forma diferente, e o que é “demais!” para um nem sempre desperta tanto interesse em outro.

Mas para mim, independente de seguir um método ou não, a “chave para o sucesso” na hora de educar nossos filhos – aquele que aprendi a visualizar com minha professora – está em não cometer estes 3 erros na hora de educar:

1. Não é não.

A criança está descobrindo o funcionamento do mundo e precisa aprender e entender aquilo que para nós é, muitas vezes, tão óbvio. Sempre expliquei o porquê das coisas e o motivos para um NãO! Mesmo que de forma simples, como: “não, isso é perigoso”; “Não, isso pode machucar sua irmã”; “Não, agora é a hora errada por que já vamos almoçar”; ou “Não, este brinquedo é muito caro, mas que tal fazermos um cofrinho até o natal?”, é importante que a criança tenha um feedback. Este hábito ajuda nossos filhos a crescerem mais compreensivos com as pessoas, regras e situações.

2. Pensar IGUAL ao adulto

Crianças e adultos possuem esquemas de raciocínio diferentes. Na maioria das vezes as crianças nos surpreendem e mostram como são inteligentes, espertas e sabem solucionar problemas de forma tão criativa. Precisamos ouvi-las, dar espaço para que expressem suas opiniões e formas de agir, mesmo que depois a gente pense e diga: “achei legal, mas talvez assim seja menos perigoso”, por exemplo.

Também precisamos entender que as crianças possuem interesses, lógica e tempo de concentração diferentes dos nossos. Viver dando sermões é tão fracassado quanto colocar as crianças numa sala de aula, e por 2 horas seguidas não permitir que conversem ou se levantem.

Nossos exemplos, nossas conversas, interações e brincadeiras causam muito mais efeitos positivos para o desenvolvimento e educação da criança do que muito blá, blá, blá. E isso as tornam mais pensativas, críticas e independentes.

3. Sentir DIFERENTE do adulto.

A gente acha (erroneamente) que eles pensam como adultos e muitas vezes exigimos isso dos nossos filhos. Mas para os sentimentos como medo, vergonha ou tristeza despertados nas crianças por vários motivos, não damos importância. Como se os diversos sentimentos atingissem de forma diferente adultos e crianças. Está aí mais um equívoco importante na hora de educar que devemos deixar de fazê-los para o bem deles.

O Medo, por exemplo, é uma sensação que segue ligada a um sinal de alerta, diante de algo que se acredita ser uma ameaça. Falando quimicamente, a sensação do medo ocorre “…em consequência da liberação de hormônios como a adrenalina, que causam imediata aceleração dos batimentos cardíacos. É uma resposta do organismo a uma estimulação aversiva, física ou mental, cuja função é preparar o sujeito para uma possível luta ou fuga. Antes de sentir medo, a pessoa experimenta a ansiedade, que é uma antecipação do estado de alerta. Entre outras reações fisiológicas em relação ao medo, podemos citar o ressecamento dos lábios, o empalidecimento da pele, as contrações musculares involuntárias como tremedeiras, entre outros.” Juliana Spinelli Ferrari, Colaboradora Brasil Escola. Não existe medo de criança e medo de adulto, existe apenas medo. Quando dizemos para uma criança que aparece na porta do quarto a noite dizendo que está com medo: “Isso é besteira, vai dormir”, colaboramos para que se sinta insegura. A criança pensa diferente de um adulto e precisa se sentir protegida. Sentindo-se protegida em casa, aumenta as chances da criança se sentir segura na hora de encarar desafios fora do ninho.

Outro sentimento importante que devemos prestar atenção é a vergonha. A criança talvez tenha vergonha de fazer xixi de porta aberta num banheiro público, de ficar pelada na praia na frente de todos para trocar de roupa, de levar uma bronca enorme quando os colegas estão por perto, de ver os seus pais discutindo diante a outras pessoas. Por que não perguntar: “filho, vamos trocar a sunga por uma cuequinha aqui na praia, para não ir molhado para o carro. A gente faz uma cabaninha com a toalha, topa?”. Por que não se importar com esse sentimento nos nossos filhos? Sim, eles sentem como nós e ninguém gosta de passar vergonha. Mostrar importância ao sentimento da criança ajuda na construção do respeito entre pais e filhos.
bebe-anjo-dormindo-nas-maos-da-estatua-c719f
Quando eu disse que não cometer esses três erros eram a “chave para o sucesso” na hora de educar nossos filhos, não encarem isso como uma fórmula fácil que trará resultados imediatos. Educar filhos é um exercício diário e inerente às nossas práticas, não uma atividade a ser feita nos tempos livres ou somente quando estamos inspiradas.

Talvez o segredo para darmos uma educação boa aos nossos filhos seja focarmos mais em nós e refletirmos sobre nossa própria vida. Como são os meus hábitos diários? Como encaro os problemas? Como converso com as pessoas na rua? Como respeito as leis no trânsito? Como dou importância ao professor do meu filho? Como reajo às regras de convivência no prédio ou no clube? Como converso quando estou cansada? Como valorizo meus pais ou marido? Como lido com meus sentimentos? Como planejo a semana? Como me organizo em casa?

Muitas vezes quando paro para pensar em algo que não está dando certo com meus filhos, vejo que eu poderia ter feito mais ou pelos menos diferente em um determinado momento. Assim como em uma canção a melodia engrandece a letra, somos nós, mães e pais, que damos o ritmo à vida de nossos filhos.

Beijos, queridas mamães e até a próxima!

Compartilhe este texto com suas amigas e não deixe de visitar nossa fan page:

facebook.com/asupermammy

2

10 razões para que seu filho menor de 13 anos não tenha facebook.

Sábado a tarde meu filho de 8 anos me questionou sobre o fato de um colega (da mesma idade) ter Facebook. Então eu disse a ele que Facebook era proibido para menores de 13 anos e ele arregalou os olhos. Tivemos uma conversa super legal e vi o quanto ele sabe das redes sociais, tipos de celulares e aplicativos da moda, sem ao menos ter um celular ou acesso a esse tipo de rede.

A questão é que a vida ensina mais do que a gente imagina. E nem tudo o que nossos filhos aprendem com ela faz bem ou é livre de perigo. Nosso papel? Estar por perto sempre.

“Ah mãe, deixa vai, todo mundo tem!”, essa é uma frase perigosa. Não queremos nosso filho fora do mundo. Bem, pelo menos eu não quero que meus filhos vivam desconectados da realidade. Não idealizo uma micro sociedade caseira onde somente o que minha família pensa, faz, crê, usa e assiste, por exemplo, seja considerado o ideal ou o melhor a seguir.

Mas acredito que possamos viver os nossos valores, viver aquilo que a gente pensa, faz, crê, usa ou assiste de modo a respeitar e conviver com aqueles que caminham com outros ideais. E fazer isso sem acreditar que exista o certo ou o errado. Apenas que possui um modo de vida que faz bem e cabe certinho em você, sem precisar aceitar tudo que a sociedade ou mídia tenta nos impor.

Por outro lado, existe um papel que nós somos obrigados a cumprir: o de garantir a segurança e integridade física e moral dos nossos filhos até os 18 anos, independente do que pensamos e acreditamos. E é justamente esse papel que muitos pais acabam deixando de se preocupar, abrindo portas para o perigo. O facebook é uma ferramenta como muitas destas que escondem perigos, ás vezes inimagináveis.

10 razões para que seu filho menor de 13 anos não tenha facebook:

Número 1: É regra.

Na declaração de direitos e Responsabilidades do Facebook, presente no Termo de Serviço que deve ser lido na hora de abrir uma conta nesta rede social, no artigo 4, item 5, lê-se a seguinte frase: “Você não usará o Facebook se for menor de 13 anos.”

E ainda, se utilizado por jovens de 13 a 17 anos, estes devem se submeter a certas restrições impostas pelo próprio Facebook, afim de tornar a navegação dos adolescentes mais segura.

È claro que é fácil burlar essa regra e ninguém da empresa irá na sua casa verificar as informações fornecidas por você ou pelo seu filho. Mas acredito que são nessas pequenas atitudes, de burlar isso, mentir naquela coisinha boba ali ou alterar um dado simples para levar vantagem em alguma situação é que se formam pessoas com freios morais corrompíveis. E esse é um bom exemplo para escolher o certo, para mostrar ao seu filho a importância de se cumprir regras sociais.

Número 2: Os perigos reais de um mundo virtual.

As crianças de 8, 9 ou 10 anos, por exemplo, ainda não têm a mesma capacidade de compreensão da realidade como um adulto, elas enxergam a vida sob um outro ponto de vista, um ponto de vista menos perigoso ou com mais fantasias. Dessa forma ficam expostas à informações caluniosas, à pessoas com más intenções e a conteúdos inapropriados para a sua idade.

Vou contar um caso que aconteceu com uma pessoa próxima. O filho de uma amiga, com 15 anos conheceu uma menina pelo Facebook. A menina era “perfeita” aos olhos dele: linda, rica, boa de papo, inteligente e tudo mais. Do Facebook pularam para o Skype, mas a câmera dela nunca funcionava, apenas a do filho da minha amiga. No início se falavam toda a semana, depois todo dia e essa minha amiga começou a se preocupar. Filho, você não acha estranho a câmera dela nunca funcionar? – indagava ela ao filho, e ele cego e apaixonado até brigava com a mãe. Marcavam encontros e a menina não aparecia. E a história foi ficando mais séria. Essa minha amiga trabalhava e o menino ficava a tarde sozinho e passava horas no Skype. Até que um dia o encontro saiu. Mas ao invés de uma menina linda de 15 anos, apareceu um homem de 55. Bom, o caso tomou um rumo policial, nem preciso contar.

Número 3: Eu sei onde você está.

Não é difícil saber onde um colega que você não vê há anos está nesse exato minuto. Claro que você ou eu temos amigos antigos no Face, e acho essa uma das maravilhas desta rede social! Mas mesmo não tendo mais contato nenhum com seu antigo amigo da escola, você sabe o que ele faz, onde trabalha, com quem namora, onde a namorada dele trabalha, quem são as primas dela, o que fizeram no fim de semana, o que comeram ontem, e onde tomaram aquele: “Cafezinho Mara – com Garibaldo em Vila Sésamo Restaurante.”

Claro que nossa intenção em dar uma olhadinha e matar a curiosidade sobre o que anda fazendo tal pessoa é normal e sem intenção maldosa alguma. Mas existem aqueles que possuem uma conta falsa no Facebook (ou em outras redes) que possuem a única e exclusiva intenção de fazer vítimas para as suas maldades obscuras. E quanto mais ingênua ou infantil for uma pessoa, maiores as chances de cair em algum golpe.

Quando isso acontece, a pessoa mal intencionada tem grandes informações sobre sua vítima, que pode ser uma criança, por exemplo. E encontrá-la não será difícil, afinal é possível saber informações como escola, clube que frequenta, ou o shopping que está neste momento:  “Pipoquinha com as amigas assistindo Bob Esponja – O filme em Cinemax Iguatemi Campinas.”

Número 4: Imagens de Sexo, Morte ou Violência.

E quem é que não tem um amigo no Facebook que vive colocando video de criança sendo espancada, cachorro sendo arrastado por moto, fotos de pessoas mortas em acidentes, ou aqueles vídeos com cenas de sexo de alguém que “pegou” vírus no Face?

Pois bem, eu não gosto de ver imagens assim, me fazem mal e fico dias pensando no que vi. Acredito que existem outras formas de informar e prevenir danos à pessoas e animais que sejam menos apelativos. Mas tem quem gosta e compartilha.

Claro que sei lidar com meus sentimentos e com essas imagens, sou adulta. Mas será que uma criança está preparada para ver um conteúdo ou uma imagem forte, inapropriada para a sua idade? Será que essa criança conseguirá lidar com seus sentimentos e medos gerados pelas cenas vistas? Esse tipo de conteúdo pode chocar uma criança e revelar uma maldade que sim, existe, mas que ela ainda não precisa conhecer. Tudo tem seu tempo.

Número 5:  Cyberbullying.

Quando alguém me pergunta desde quando o bullying existe, eu sempre brinco que ele se originou junto com escola, embora saibamos que o bullying pode acontecer também nos clubes, condomínios e até mesmo no trabalho. Ou seja, é uma situação muito antiga.

O que acontece é que ultimante o bullying tem tomado proporções maiores, e se antes ele acontecia dentro dos muros da escola, hoje ele ultrapassa esta barreira e invade a vida do seu alvo por completo. Isso porquê o alvo de bullying poderia sair da escola – onde sofria com as agressões – e ir para sua casa e lá encontrava tranquilidade, paz e momentos para refletir sobre as situações vividas.

Hoje, o alvo sai da escola e as agressões não acabam. Recebe mensagens maldosas, ameaças por celular, encontra na Internet páginas, sites, comunidades que o humilha, que o faz chorar. O vilão da história? Cyberbullying. Com ele o ciclo de sofrimento do alvo não tem limite.

Nossos filhos podem se envolver com o cyberbullying mesmo sem querer, mesmo não sendo alvos de bullying. Quantas vezes vemos fotos de pessoas consideradas feias e fica todo mundo tirando sarro e compartilhando o post sem pensar que aquela imagem é de alguém. Uma pessoa que existe, que possui sentimentos e que tem o direito de não ser humilhada e de não passar por situações vexatórias reais ou virtuais.

Nós temos o dever de conversar com nossos filhos sobre o lado bom e o ruim da internet, afim de ajudá-los a refletirem sobre o respeito ao próximo. Devemos orientá-los sempre para o cuidado com o que é publicado, curtido, compartilhado e comentado. O Facebook mantém campanhas que orientam os usuários a não praticarem o cyberbulling e possui canais para denúncias.

Vocês podem ter mais dicas de como lidar com o bullying e com o cyberbullying através do meu blog: bullynobullying.blogspot.com

Número 6: Os golpes.

O número de golpes, links e plugins maliciosos no Facebook também são grandes. Existe um canal para denúncias, mas até lá a pessoa já caiu no conto da carochinha. Normalmente esses golpes vêm acompanhados de imagens atrativas ou campanhas que prometem viagens, smartphones e uma infinidade de outros prêmios bacanas.

Toda essa oferta chama atenção de vários usuários, indo das nossas mães e avós que resolveram modernizar e criaram uma conta no Face – adoro essas iniciativas –  mas que acreditam em tudo o que tem na net (desculpa, mãe, mas é verdade 🙂 ) até pessoas imaturas que não deveriam ter uma conta aberta, como no caso das crianças menores de 13 anos. E para cair no golpe basta clicar em um desses links atrativos para sem querer divulgar seus dados pessoais ou adquiri algum vírus no dispositivo de acesso a webcan, por exemplo.

Número 7: Ostentação.

Ostentar virou moda, aliás tenho a impressão que tudo o que é fútil, falso e sem valor vira moda. Tô errada ou velha coroca demais? Podem me falar, heim?!

No Facebook encontramos sempre pessoas que adoram mostrar os exageros que possuem, a “vida boa” que levam, o último modelo de celular comprado, o restaurante caro que foi, a viagem bacana para o exterior, o tênis da moda de 1000 reais que acabou de comprar, etc… Eu também coloco foto de viagens, ou das crianças brincando no quintal, mas tem gente que gosta de ostentar e isso é diferente de compartilhar com seus amigos momentos que lhe trouxeram alegria!

Geralmente (quase sempre) momentos especias estão mais ligados a pessoas do que à coisas, e é esse sentido que quero oferecer aos meus filhos. Por que deixar nossos filhos expostos a esse mundo virtual onde as pessoas postam fotos para se aparecer, onde o consumismo é desenfreado? Vale a pena refletir.

cyberNúmero 8: Tempo perdido.

O tempo voa na internet quando estamos nas redes sociais. Simplesmente passa, parece que mais rápido do que o normal. E esse tempo perdido, porque de fato e na maioria das vezes são informações fúteis que servem apenas para nos divertirmos ou para distrair e espairecer um pouco, não é mais recuperado.

A vida de verdade é muito melhor! Uma criança precisa ter coisas mais divertidas e interessantes para fazer do que ficar no Facebook. Mesmo que seja nas grandes cidades, ou fechadas em seus condomínios, para a criança o saudável é brincar.

Não permita que sua criança fique horas no computador, celular ou tablet, mesmo que não seja em uma rede social. É preciso criar limites para o espaço que a Internet ocupa na vida dela, para que a saúde física e mental das crianças não seja afetada.

Número 9: Um zum zum zum em silêncio.

Um outro exemplo das maravilhas da Internet e das redes sociais é que elas nos aproximam das pessoas que estão longe. Adoro isso porque vivo fisicamente do outro lado do oceano de todos os meus amigos, colegas e família. Visito a turma quase sempre lá no Face. Vejo o chá de bebê da prima, o casamento da amiga, mostro os netinhos para os avós. Claro que viver de verdade tudo isso seria muito melhor, mas dizer que essas ferramentas virtuais não ajudam a aproximar pessoas seria uma mentira.

O lado ruim disso tudo é que pode viciar. E esse vício tomou proporções assustadoras, a ponto de ver famílias no restaurante ou uma roda de amigos, cada um com seu olhar fixado no celular, conversando com o mundo, mas trocando meia palavra ali pessoalmente. No máximo “vamos tirar uma foto para colocar no Face, Instagran”… Exagero? Hoje não sei mais. Conversa boa é quando a gente nem lembra de tirar uma foto ou quando nem dá tempo, porque a criançada não parou de correr. Não podemos perder isso e deixar as pequenas maravilhas passarem despercebidas.

Número 10: Sedentarismo.

Nossas crianças precisam de ação, de movimento, de agito e correria. Para os momentos tranquilos, livros, atividades manuais ou um filminho, por exemplo. Nós adultos sabemos o tempo que essas redes sociais tomam de nós. É difícil controlar … fácil é perder horas sentadas ali em frente ao computador ou celular e depois perceber que o tempo passou e nada aconteceu.

Quantos amigos conheço “que deram um tempo no Face” porque estavam muito viciados!? Muitos. É normal, o adulto tem essa responsabilidade e controle, por isso “dão um tempo”, sabem seus limites. As crianças não possuem isso, precisamos dar limites a elas.

Menores de treze anos não estão na fase de ficarem ali presos nesse mundo virtual, elas terão isso no futuro. Mas o presente, o ser criança, o pular corda, dançar, praticar esportes, quebrar o vaso da tia, rabiscar papel, mesa, chão, tudo isso… precisa acontecer. É tempo de brincar, é tempo de sonhar, é tempo de viver a infância que passa tão depressa!

Fotor022712145

Beijos e boa noite, queridas mamães!

Gostou? Compartilhe ou deixe m comentário. Vamos conversar sobre filhos?
asupermammy.com
facebook.com/asupermammy

6

Primeiro post do ano: Ser mãe pela quarta vez!

Queridas mamães…

Fevereiro está chegando ao fim e é a primeira vez que sento para escrever um post aqui no blog. Motivos para o atraso? Ser mãe já bastaria, certo? Afinal nossa vida é dividida entre várias vidinhas, e o tempo é um bem valioso para nós … e escasso!

Mas meus motivos são outros, afinal, já estava adaptada a vida de ser mãe de três. Minha agenda estava organizada e a casa já tomava um ritmo gostoso de tardes tranquilas e noites bem dormidas. Então veio a ideia de mudar para uma casa, afinal as crianças queriam muito um quintal. Com a mudança surgiu também a Síndrome de Tietze, me “presenteando” com uma terrível dor no peito que poderia durar de semanas a anos, graças a Deus estou melhor. Como me esquecer da dor do falecido dente do Siso? Impossível. Foi uma extração inevitável. E em meio a esses imprevistos da vida, somado a rotina corrida de uma mãe de três que não pode parar por nada e por dor nenhuma, eis que o resultado deu positivo pela quarta vez.

Sempre quis ser mãe de 4. E quando digo sempre é sempre mesmo. Quando a família e os amigos ficaram sabendo da gravidez as duas frases que mais ouvi além de “meus parabéns” foram:

1. Você sempre disse que queria ter quatro!

2. Como você é corajosa!

🙂 E as duas frases são verdadeiras. Precisa ter coragem para ser mãe nos tempos de hoje. Cuidar, proteger, educar, amar e depois deixar voar nesse mundão gigante… é preciso ter fibra e garra. Toda mãe é a coragem em pessoa.

Já ter quatro filhos, bem essa história mudou depois que meu terceiro parto foi cesária outra vez. Partir para uma quarta cesária nunca fez parte dos meus planos. Então três crianças correndo pela casa estava bom demais.

A história mudou depois dessa surpresa. Surpresinha boa que cresce saudável a cada dia e que em breve estará entre nós. Mas a preocupação com uma quarta cesária ainda está aqui, queridas amigas. Ser mãe de três ou de quatro, de cinco… não me assusta. Educar é uma arte e eu amo essa difícil tarefa de ser mãe. Mas quatro cesárias me assusta. Alguém aí do outro lado já passou por isso? Conhece alguém que passou?

Estou aproveitando cada momento, estou disposta, com energia, as dores diminuíram muito, a fase dos enjoos passou e eu nem senti, a mudança de casa está quase terminando, e agora posso voltar a escrever aqui no blog! 🙂

Então continuem acompanhando… porque conversar sobre filhos e trocar experiências nos engrandece e eu preciso muiiiitttto ainda aprender!

Beijinhos!

Do poeta Kalil Gibran para todas nós:

“Teus filhos não são teus filhos,
são filhos e filhas da vida.

Anelando por si própria,
vem através de ti, mas não de ti.

E embora estejam contigo, a ti não pertencem.

Podes dar-lhes amor mas não teus pensamentos, pois eles têm seus pensamentos próprios.

Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas, pois suas almas residem na casa do amanhã, que não podes visitar se quer em sonhos.

Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procureis fazei-los semelhante a ti, pois a vida não recua, não se retarda no ontem.

Tu és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados. Que a tua inclinação na mão do Arqueiro seja para alegria.”

 

0

Os pés precisam de espaço.

Esses dias fui comprar sapatos para as crianças… de novo! Como crescem esses pequenos e chulezentos pés! Além do que chutar grama, pedras e canelas, também pede sapatos novos. Embora aqui a criançada usa o tênis até furar (e um vai passando para o outro), tive que ir às compras!

Mas comprar sapatos para crianças não é tão simples assim, e bate a maior dúvida sobre qual número comprar. Você já se perguntou: Como encontrar os sapatos certos para o seu filho? O que procurar na hora de comprar um par de tênis ou sandália? Eu não sabia que um simples sapato pudesse envolver  tantas dúvidas.

Nessa minha última compra de sapatos recebi uma aula de presente da vendedora e compartilho aqui o que ela me falou e o que eu pesquisei sobre comprar sapatos para as crianças.

cb3941a394Pular, correr, escalar, passear, caminhar, subir, descer, escorregar, rolar, dançar ou chutar – os pés das crianças sempre estão em movimento! Para que eles se sintam bem e confortáveis e para que cresçam e se desenvolvam de maneira saudável, as crianças precisam de sapatos que se encaixem perfeitamente.

Fuss_im_SchuhNem pequeno demais e nem grande, o ideal é que na hora de comprar os sapatos, os dedos tenham de 12 a 17 milímetros de folga.  Minha mãe apertava a ponta do sapato para ver se estava muito grande na hora de comprar, e é bem isso. Esse espaço da frente é importante para o conforto e postura adequada dos pés.

3 coisas a serem observadas na hora de comprar os sapatos:

  1. Tamanho certo.
  2. Apropriado para a função.
  3. Forma adequada.

Além do tamanho ideal, o sapato precisa ser compatível ao seu objetivo. Não me compre uma chuteira para fazer caminhada. Ou uma sandália de festa para aula de educação física. Minha sogra sempre fala que era difícil achar sapato para meu marido porque o pé dele era alto. Pois bem, verificar se o formato e o modelo do sapato é o correto para cada um ajuda a evitar danos para os pés e dedinhos._3339535

Itens importantes na hora de comprar sapatos:

1. Leve a criança sempre junto.

2. Compre no período da tarde ou noite, pois durante o dia os pés aumentam um pouco de tamanho, e se você comprar logo cedo corre o risco do sapato machucar depois.

3. Certifique-se de que os sapatos são adequados para a forma do pé do seu filho, altura e largura.

4. Verifique se existe algum zíper ou enfeite que machuque os pés e se a parte de trás do sapato é muito dura, porque pode causar lesões no calcanhar.

5. Não esquecer que os pés das crianças precisam de espaço, portando o sapato certo é aquele que sobra 12 a 17 milímetros na frente.

schuh-freunden_2555552Perguntas interessantes…

Ganhei sapatos usados da vizinha, eles são adequados?

Se respeitar o espaço para que os dedos fiquem livres, e a forma adequada para os pés das crianças, não existe problema em usar um sapato velho.

Para ficar em casa é melhor um sapato ou meias antiderrapantes?

Meias antiderrapantes é a melhor opção. Com as meias os pés ficam mais livres e podem movimentar-se mais.

É melhor um sapato grande do que um pequeno?

Nem grande e nem pequeno. O pequeno machuca, e pode danificar a formação e o desenvolvimento dos dedos. Os grandes podem causar quedas e não contribuem para o regular equilíbrio.

Quanto mais caro, melhor?

Não. Preço caro não é garantia de conforto. É importante respeitar o tamanho e a forma adequada.

Criança pode usar sapato com salto?

Não. O uso de sapato de salto em crianças pode causar problemas como joanetes e neuroma de Morton, além de torções  causadas pela queda. Gente pelo amor, criança corre, pula, dança, e o salto não ajuda, muito pelo contrário, só atrapalha. Além disso salto é para gente grande, vamos deixar a criança ser criança.

Qual o melhor tipo de sapato para as crianças?

“O sapato ideal é o tênis, com uma pequena elevação na parte de trás e, tanto quanto possível, as crianças deveriam andar mais descalças.” Renata Martins, fisioterapeuta.

schuhe_21155242E então, mamães? Gostaram? Espero que sim…

Beijos e até a próxima

🙂

asupermammy.com

facebook.com/asupermammy