0

E quando meu filho for adolescente?

book-15584_1920Pois é, começaram algumas respostinhas mais azedas aqui em casa, então pensei: “Xiii, imagina na adolescência!”. Meu filho mais velho só tem nove anos, mas a preocupação com esta fase da vida já bate na minha porta: me sairei bem no papel de mãe de adolescente?

Para o psiquiatra Manfred Spitzer, “a puberdade é quando os pais são estranhos”. Eu já fui adolescente um dia, mas em breve passarei mais uma vez por esta fase, só que agora no papel de adulto responsável.  Aposto que isso deve ser no mínimo desafiador.

Mas como encarar a adolescência de um filho? Quando paro para imaginar, vejo-me como uma mãe legal, amiga e companheira, capaz de entender meus filhos e fazê-los se sentirem a vontade para rir ou chorar. Mas a verdade é que falar é fácil e em meio as briguinhas, chatices e surpresas vividas neste período, muito provável que eu me torne uma mãe chata, mandona e inflexível.  Afinal, se hoje já tenho grandes desafios na hora de educar, imagine quando eles forem adolescentes?

Mas será que todo adolescente é mesmo um “aborrecente”?

Não. Acreditem, nem todas as mães sentirão o gostinho amargo de ser mãe de um “aborrecente”. Mas engana-se quem pensa que apenas uma boa educação é capaz de reter o comportamento rebelde de um jovem. O ser humano é um caixinha de surpresa, e na adolescência essa caixinha se enche de transformações sociais e físicas.  Embora a relação construída entre pais e filhos até a adolescência seja importante e significativa, não podemos esquecer que existe um processo químico nesse período ativo e responsável pelas grandes mudanças, podendo  ocasionar  conflitos em qualquer que seja o nível de relação entre eles.

Mas que mudanças são essas?

O cérebro humano está em constante desenvolvimento até os 20 anos de idade. Na adolescência ocorrem alterações marcantes em suas estruturas. Regiões inteiras do cérebro são renovadas e essas mudanças  acontecem de  forma intermitente e não uniformemente. Nos anos  que acompanham a puberdade, ocorre uma reestruturação significativa, principalmente nas áreas cerebrais que abrangem as emoções, o auto controle, o julgamento apropriado das situações vividas e o próprio comportamento.

Além dessa alteração química cerebral, ocorrem também  alterações hormonais no período da adolescência. Bom, e sobre as alterações hormonais nem preciso dizer nada, nós mulheres conhecemos bem e sabemos o quanto influencia o nosso humor, relacionamento e até mesmo a visão do mundo.

Então não é apenas rebeldia?bmx-493138_1920

Não. Podemos dizer que o cérebro ainda em desenvolvimento de um adolescente está mais predisposto a riscos, a acoes mais sentimentais do que racionais,  a escolhas precipitadas, à impulsividade, ao entusiasmo por novidades e a dificuldade de se concentrar em metas a longo prazo. A adolescência é um período de busca pela identidade física, social e pessoal.

Saber disso me trouxe um alívio. Quando meu filho começar a resmungar, contestar ou me irritar, precisarei apenas mentalizar e dizer para mim mesma: “Calma! são apenas as sinapses neurais de um adolescente!!” rsrrs. Mas se no calor do momento eu me esquecer totalmente disso, devo recorrer as estratégias para uma boa convivência com adolescentes. Quais são elas?
* Como o adolescente vive praticamente o agora, dizer a ele que é preciso estudar para se ter um bom emprego, por exemplo, é quase perda de tempo. Nesta fase devemos ser práticas: “Olha meu bem, se não estudar para a prova de amanhã, cancela o cinema do fim de semana”.  Os adolescentes precisam de recompensas rápidas, nada de sermões sobre o futuro.
* Outra ação positiva para lidar com seu filho adolescente é sempre conscientizá-lo que toda ação tem uma consequência imediata e que portanto ele deve minimamente refletir sobre o que se está fazendo agora: “se não arrumar sua cama, cuidará da louça do jantar esta semana toda.”
* Trazer os amigos para a casa é uma forma de conhecê-los melhor e estar mais próximos deles, mesmo que eles se enfiem no quarto e só saiam para pegar comida na geladeira. Ser legal com os amigos do nosso filho adolescente ajuda na aproximação e melhora esta relação.                                                                                                                * Na adolescência é necessário fazermos acordos. A conduta de ouvir nossos filhos e formar combinados é importante para a política de “ação e consequência”. As regras e limites devem ser claros, objetivos e combinados em conjunto, se possível escritos e colocados no mural da casa. “Dever de casa semanal completo até sexta a tarde ou video game desligado no fim de semana”.

A adolescência é a fase da vida em que o parecer do outros – especialmente dos colegas – é cada vez mais influente. Mais influente até que a opinião de seus pais. A chave que nos revela a boa convivência entre pais e filhos na adolescência é lembrar sempre de três coisas:

1- Os adolescentes não estão diferentes, rudes e totalmente complicados neste período porque são malvados ou destemidos, mas porque o seu cérebro é ainda um enorme canteiro de obras a ser trabalhado após um longo período de reforma.

2- Os adolescentes não são adultos. Nem seu cérebro.

3- Os pais não são meros amigos. É preciso agir com responsabilidade e com a maturidade que nossas conexões neurais já estruturadas nos permitem.

handmade-791693_1920

E se você tem um adolescente em casa, conte para nós sua experiência!

asupermammy.com

facebook.com/asupermammy

0

Crianças tristes.

Está nas manchetes dos jornais, revistas e blogs: estamos a formar uma geração de crianças infelizes! Quando escuto essa frase sinto um arrepio e uma angústia no peito ao ver uma quantidade enorme de pais e mães compartilhando lindos textos sobre a “infância infeliz”, mas refletindo tão pouco sobre o seu papel nisso tudo. A infância construída hoje nos revela valores enraizados em coisas e não em pessoas. Talvez essas crianças terão dificuldades no futuro? Acredito que sim; no mínimo, trarão muitos problemas para ele.
O que me espanta é ver a grande quantidade de pais surpresos e brevemente assustados com as notícias da tal geração triste: “Ora, por que tanta tristeza, afinal essas crianças têm tudo?”. E eu me pergunto: tudo o que? Talvez seja essa a chave que abre as portas para uma infância sadia: saber qual o Valor dado às coisas, às pessoas e aos momentos.
Crianças só querem saber de Shopping! Para muitos pequenos, passear é sinônimo de ir ao shopping tomar um lanchinho no MC. Quem as levam? Sim, seus pais.
Crianças não largam o tablete por nada, vivem hipnotizadas! Quem compra os tabletes, quem permite o seu uso ilimitadamente? Sim, seus pais.
Crianças que só usam tênis se for da nike! Que sentem vergonha de sair sem uma camiseta de grife! Ora, quem é que acrescentou tanto valor para as coisas de marca? Sim, seus pais.
Crianças cada dia mais adultas! Quem é que leva menina de 6 anos para fazer unha toda semana no salão? Sim, seus pais.
Crianças que chegam na sua casa e perguntam a senha do WiFi!  Quem é que comprou o celular para essas crianças e/ou permitiu seu uso em todos os lugares?  Sim, seus pais.
Ora, mães e pais, para que o espanto? Por que se chocar com a notícia de que as crianças estão cada dia mais tristes? Vejo que essas crianças se tornaram adultos pequenos. Voltamos na história! E precisamos urgentemente repensar a infância de hoje. Nós somos MÃES E PAIS e devemos agir como tal. Com responsabilidade, inteligência e comprometimento.
Mas antes de repensar  essa infância quase perdida, talvez seja importante começar a repensar si próprio, a refletir sobre o que é importante para você, qual é o peso do consumismo em sua vida, quem são seus ídolos, o que você valoriza. Pais, vocês são exemplos, são espelhos e segundo as manchetes, andam radiando tristeza para as crianças.
Vamos, salvem seus filhos, é mais simples e mais barato do que imagina!

Shopping? Não, por favor. A felicidade das crianças está escondida nas praças e nos quintais.

Celulares, Tabletes? Não, obrigada. Crianças precisam de abraços, de contato humano, de conversa jogada fora.

Grifes e Marcas? Não, não preciso. O Valor está nas pessoas, nos animais, na natureza, na pipoca no potinho, no jogo de tabuleiro, na VIDA que passa e não volta mais.

boy-529067_1280

asupermammy.com

facebook.com/asupermammy

0

O que nossos filhos precisam mesmo?

Bom dia,

Semana passada estava deitada fazendo repouso. Repouso pode ser bom, tirar aquela sonequinha a tarde quase impossível é bom também. Mas parece que quando precisamos descansar por ordem médica, nosso corpo e nossa mente começam a ter faniquitos!

Nada de dormir, de relaxar … só pensamentos assim: “Meu Deus tenho que fazer isso, tenho que fazer aquilo” ou “O bebê chegará e ainda nem tenho o berço!” (pior que é verdade!) e por que não “ai que vontade de limpara a casa, arrumar os armários”… Vontades que só veem quando estamos assim, em repouso.

Mas enfim, em uma dessas crises de pensamentos agitados e nada de sono, comecei a pensar em tudo o que meus filhos tem e fazem, e se isso realmente era importante para o crescimento deles. Foi aí que pensei em uma lista, gravei tudo no celular e montei mais tarde a tabelinha aí abaixo para eu refletir sempre que possível.

Coloquei na fanpage e as mamães gostaram. Então resolvi deixar aqui no blog para vocês também 🙂

1599553_441010252744951_6102961587871606760_o

Gostaram?

No fim é verdade… a criança é simples, para que complicarmos?

Ótima semana para todas vocês ;*

facebook.com/asupermammy

asupermammy.com

0

Os 3 maiores erros na hora de educar nossos filhos.

Bom dia, queridas leitoras.

Hoje acordei pensativa e me lembrei de uma grande lição. Há alguns anos atrás, no curso de pedagogia na faculdade de educação da Unicamp, ouvi uma professora dizer aquilo que seria para mim a principal linha na hora de educar os meus filhos.

Não sou uma mãe que segue à risca uma metodologia de como educar os filhos, ou que escolhe uma teoria e que nunca sai da rotina por nada nessa vida. Não acredito que exista um segredo ou um método mágico que nos ajude a dar um jeito na sapequice dos nossos filhos. Muito menos uma dica, ou uma frase em um livro que seja capaz de resolver todos os nossos problemas na busca por uma educação tranquila, justa e próspera.

Na verdade eu sempre encarei a educação de filhos como algo tranquilo e sem mistérios: o que a criança vê, ela faz; o que a criança escuta, ela absorve e compreende; a criança vai até onde permitimos.

Para esclarecer sobre a questão das diversas metodologias existentes: são super importantes e seus estudos sobre o comportamento infantil nos revelam surpreendentes descobertas e saberes que permeiam a busca por práticas que respeitem o desenvolvimento da criança e a valorização da infância.

Quando eu disse que não sigo à risca uma metodologia, quis dizer que acredito que cada família possui sua dinâmica, sua rotina e seus horários. Qual é o melhor método? Não sei, será que existe? O ser humano é único e o que eu levo para minha família pode ser diferente do que minha vizinha segue, e nem por isso uma está certa e a outra errada.

No meu caso adoro ler e aprender sobre Montessori e Waldorf (antroposofia) e sei que cada um desses métodos traz ideias de atividades inteligentes e interessantes para meus filhos, além de conversas produtivas sobre o desenvolvimento infantil e a infância com meu marido.

Cada criança é de um jeito, estou indo para o meu quarto filho e vejo diariamente como cada ser é único e possui sua própria individualidade, personalidade e temperamento desde pequeninos. Percebo que as atividades tocam meus filhos de forma diferente, e o que é “demais!” para um nem sempre desperta tanto interesse em outro.

Mas para mim, independente de seguir um método ou não, a “chave para o sucesso” na hora de educar nossos filhos – aquele que aprendi a visualizar com minha professora – está em não cometer estes 3 erros na hora de educar:

1. Não é não.

A criança está descobrindo o funcionamento do mundo e precisa aprender e entender aquilo que para nós é, muitas vezes, tão óbvio. Sempre expliquei o porquê das coisas e o motivos para um NãO! Mesmo que de forma simples, como: “não, isso é perigoso”; “Não, isso pode machucar sua irmã”; “Não, agora é a hora errada por que já vamos almoçar”; ou “Não, este brinquedo é muito caro, mas que tal fazermos um cofrinho até o natal?”, é importante que a criança tenha um feedback. Este hábito ajuda nossos filhos a crescerem mais compreensivos com as pessoas, regras e situações.

2. Pensar IGUAL ao adulto

Crianças e adultos possuem esquemas de raciocínio diferentes. Na maioria das vezes as crianças nos surpreendem e mostram como são inteligentes, espertas e sabem solucionar problemas de forma tão criativa. Precisamos ouvi-las, dar espaço para que expressem suas opiniões e formas de agir, mesmo que depois a gente pense e diga: “achei legal, mas talvez assim seja menos perigoso”, por exemplo.

Também precisamos entender que as crianças possuem interesses, lógica e tempo de concentração diferentes dos nossos. Viver dando sermões é tão fracassado quanto colocar as crianças numa sala de aula, e por 2 horas seguidas não permitir que conversem ou se levantem.

Nossos exemplos, nossas conversas, interações e brincadeiras causam muito mais efeitos positivos para o desenvolvimento e educação da criança do que muito blá, blá, blá. E isso as tornam mais pensativas, críticas e independentes.

3. Sentir DIFERENTE do adulto.

A gente acha (erroneamente) que eles pensam como adultos e muitas vezes exigimos isso dos nossos filhos. Mas para os sentimentos como medo, vergonha ou tristeza despertados nas crianças por vários motivos, não damos importância. Como se os diversos sentimentos atingissem de forma diferente adultos e crianças. Está aí mais um equívoco importante na hora de educar que devemos deixar de fazê-los para o bem deles.

O Medo, por exemplo, é uma sensação que segue ligada a um sinal de alerta, diante de algo que se acredita ser uma ameaça. Falando quimicamente, a sensação do medo ocorre “…em consequência da liberação de hormônios como a adrenalina, que causam imediata aceleração dos batimentos cardíacos. É uma resposta do organismo a uma estimulação aversiva, física ou mental, cuja função é preparar o sujeito para uma possível luta ou fuga. Antes de sentir medo, a pessoa experimenta a ansiedade, que é uma antecipação do estado de alerta. Entre outras reações fisiológicas em relação ao medo, podemos citar o ressecamento dos lábios, o empalidecimento da pele, as contrações musculares involuntárias como tremedeiras, entre outros.” Juliana Spinelli Ferrari, Colaboradora Brasil Escola. Não existe medo de criança e medo de adulto, existe apenas medo. Quando dizemos para uma criança que aparece na porta do quarto a noite dizendo que está com medo: “Isso é besteira, vai dormir”, colaboramos para que se sinta insegura. A criança pensa diferente de um adulto e precisa se sentir protegida. Sentindo-se protegida em casa, aumenta as chances da criança se sentir segura na hora de encarar desafios fora do ninho.

Outro sentimento importante que devemos prestar atenção é a vergonha. A criança talvez tenha vergonha de fazer xixi de porta aberta num banheiro público, de ficar pelada na praia na frente de todos para trocar de roupa, de levar uma bronca enorme quando os colegas estão por perto, de ver os seus pais discutindo diante a outras pessoas. Por que não perguntar: “filho, vamos trocar a sunga por uma cuequinha aqui na praia, para não ir molhado para o carro. A gente faz uma cabaninha com a toalha, topa?”. Por que não se importar com esse sentimento nos nossos filhos? Sim, eles sentem como nós e ninguém gosta de passar vergonha. Mostrar importância ao sentimento da criança ajuda na construção do respeito entre pais e filhos.
bebe-anjo-dormindo-nas-maos-da-estatua-c719f
Quando eu disse que não cometer esses três erros eram a “chave para o sucesso” na hora de educar nossos filhos, não encarem isso como uma fórmula fácil que trará resultados imediatos. Educar filhos é um exercício diário e inerente às nossas práticas, não uma atividade a ser feita nos tempos livres ou somente quando estamos inspiradas.

Talvez o segredo para darmos uma educação boa aos nossos filhos seja focarmos mais em nós e refletirmos sobre nossa própria vida. Como são os meus hábitos diários? Como encaro os problemas? Como converso com as pessoas na rua? Como respeito as leis no trânsito? Como dou importância ao professor do meu filho? Como reajo às regras de convivência no prédio ou no clube? Como converso quando estou cansada? Como valorizo meus pais ou marido? Como lido com meus sentimentos? Como planejo a semana? Como me organizo em casa?

Muitas vezes quando paro para pensar em algo que não está dando certo com meus filhos, vejo que eu poderia ter feito mais ou pelos menos diferente em um determinado momento. Assim como em uma canção a melodia engrandece a letra, somos nós, mães e pais, que damos o ritmo à vida de nossos filhos.

Beijos, queridas mamães e até a próxima!

Compartilhe este texto com suas amigas e não deixe de visitar nossa fan page:

facebook.com/asupermammy

0

15 perguntas sobre uso de óculos de sol em crianças

Dias quentes e ensolarados pedem muita água e ingestão de alimentos leves e refrescantes, como frutas, picolés, sucos e verduras. Mas quando o assunto é SOL, existem outros cuidados que devemos nos atentar com relação a saúde dos nossos filhos. Por isso, o blog da Super Mammy escreveu 15 perguntas e respostas sobre o uso de óculos de sol em crianças. Leiam e fiquem por dentro deste assunto importante em qualquer que seja a estação do ano.

FotorCreated1- Crianças podem usar óculos de sol?

Sim. Crianças podem e devem usar óculos de sol como forma de proteção contra os raios ultravioletas a e b, que são perigosos não apenas para a nossa pele, mas também – e tão importante quanto – para a os nossos olhos.

2- A partir de que idade é permitida o uso de óculos escuros?

Pelo fato de se encontrarem em desenvolvimento, as crianças são necessariamente aquelas que qualquer agressão do meio ambiente poderá ter maior repercussão ao longo da vida. Por isso aspectos relacionados com a prevenção são muito importantes. Com relação à saúde ocular, ocorre o mesmo: prevenir desde cedo é fundamental. Mas a grande questão é: as crianças devem usar óculos de sol a partir de que idade?
A proteção contra a radiação solar tem importância apenas a partir da idade em que a criança adota um estilo de vida que lhe traz maior exposição, ou seja, quando começa a ter atividades ao ar livre.

3- Óculos de sol são recomendados para bebês?

As crianças podem usar óculos de sol em qualquer idade. Mas é importante que os óculos tragam proteção e não perigo aos nossos filhos. Portanto a partir do momento em que elas consigam manuseá-los de forma autônoma, o uso é recomendado. Existem óculos para bebês, com elásticos para mantê-los firmes e seguros no rostinho deles. Talvez seja uma opção em condições especiais, como quando estamos em locais de maior exposição aos raios ultravioletas: grandes altitudes (montanhas) e superfícies muito refletoras (neve e grandes superfícies de água).

4- Existe algum item importante para se verificar na hora de comprar óculos de sol para crianças?

Antes de mais é necessário saber o que se espera dos óculos de sol. A maioria das pessoas usa óculos escuros para melhorar o conforto visual na presença de luz solar. Embora este aspecto seja muito importante, o principal objetivo para o uso de óculos escuros, deve ser a sua capacidade de proteger a criança das radiações nocivas ao aparelho visual. “As crianças passam mais tempo expostas à luz ambiente do que os adultos. Estima-se que a média de radiação recebida pela criança seja três vezes a do adulto e que cerca de 80% da radiação seja recebida antes dos 20 anos de idade. Por outro lado o cristalino da criança transmite mais radiação visível de baixo comprimento de onda (azul) e ultravioleta à retina, do que o cristalino do adulto. Estima-se que 75% da radiação que chega à retina, ocorra antes dos 10 anos de idade e apenas 10% depois dos 25 anos.” Augusto Magalhães, oftalmologista pediátrico.

5- A criança deve usar o tempo inteiro óculos escuros durante sua exposição ao sol?
Quanto mais tempo a criança usar óculos durante sua permanência sob sol ou neve, mais estará protegida. Assim como chapéu e protetor solar, este assessório é indispensável na hora de buscar uma ideal proteção contra os raios UVs. Como a criança possui muita energia e muitas vezes não quer usar óculos, evitar que a criança brinque do lado de fora nos horários de pico da radiação, também é uma forma de proteção.

6- Existe algum cuidado que devemos ter com a higiene e manutenção deste assessório?

Sim. Limpar os óculos com panos apropriados é importante para o cuidado da lente e da visão, uma vez que as lentes podem sujar e riscar com a areia, já que as crianças brincam no parquinho, por exemplo. Também, óculos com marcas de dedos ou riscos causam desconforto visual e os olhos buscam adaptar-se a essa “visão com obstáculos” causando cansaço e esforço ocular desnecessário. A manutenção dos óculos deve ser feita com limpeza diária, armazenamento em local apropriado, de preferência dentro da embalagem (caixinha dos óculos), confirmação frequente de que suas lentes estão intactas e que seu formato continua adequado para o rosto da criança.

7- Quais são os problemas visuais causados pela radiação solar?
Os efeitos negativos à saúde visual provocados pelas radiações UV dependem da intensidade da radiação, definida pelo índice de radiação UV, e pelo tempo de exposição sem proteção adequada. Existem lesões que são imediatas e outras que ocorrem a longo prazo. Dentre as lesões imediatas ocorridas pela exposição ao sol estão: queimaduras palpebrais e queimadura solar da córnea, que dificilmente acontece em crianças por brincarem no sol. Porém, outras lesões ocorridas a longo prazo são importantes e devem ser consideradas, como: degeneração macular e cataratas. A falta de proteção aumenta em 60% a chance de evolução precoce de cataratas. Essa doença é a responsável por 48% dos casos de cegueira. Os efeitos da radiação são cumulativos ao longo da vida e por isso os problemas causados pela proteção incorreta ou não proteção aos raios solares aparecem anos depois, já na fase adulta. Proteção precoce é fundamental.

8- Como podemos verificar se uma lente é boa ou não?

A qualidade da lente nos óculos de sol depende de dois fatores: a cor e o tipo de lente. As lentes devem possuir boa qualidade ótica, e isso podemos verificar observando o aspecto global das lentes como simetria, material e cor. Para as crianças recomenda-se o uso de lentes feitas de policarbonato, que são inquebráveis. Com relação a cor, devemos optar por lentes com tons de cinza e marrom. Lentes muito escuras podem expor ainda mais ainda a retina ocular.

9- Óculos de sol de boa qualidade para crianças são sempre caros?

Não. Óculos de sol não tem de ser caro para oferecer uma boa proteção contra as radiações UV. Na maioria dos casos o elevado preço dos óculos de sol tem haver com a marca. O mais importante nos óculos não são as armações e sim as lentes!  Para pagar mais barato, procure por lentes com certificação e não por armações com marcas de grifes.

10- As crianças precisam usar óculos de sol também no outono e no inverno?

Sim. É claro que no verão as crianças brincam mais ao ar livre e por isso ficam mais expostas aos perigos dos raios ultravioletas. Mas no inverno gelado onde a neve cai, por exemplo, a importância do uso dos óculos com proteção é grande, uma vez que existem ambientes que aumentam a taxa de reflexão da luz e dos raios UVs. Na neve você receberá uma radiação ultravioleta extra de 80%, enquanto na água do mar ou da piscina o número é de 20%. Os dias nublados também possuem altos índices de radiação!

11- A radiação solar é mais forte na praia e em piscinas?

Acreditar que o uso de óculos de sol deve ser feito apenas quando for nadar na piscina ou na praia é um erro. A radiação solar pode ser alta em qualquer lugar e até mesmo em dias nublados, cuja radiação atinge cerca de 70% da incidência dos dias ensolarados.  A radiação ultra-violeta é refletida pela areia, água, grama, neve… por isso além de óculos e protetor do solar, evitar atividades ao ar livre em horários de pico da radiação é uma forma de manter nossos olhos e os de nossos filhos mais protegidos.

12- Por que as cópias de óculos de sol são perigosas para os olhos?

As cópias de óculos são bonitas e atualmente bem-feitas, mas não garantem proteção para os nossos olhos por conta das lentes de contato de má qualidade. É conhecimento de todos que muitas pessoas buscam óculos bonitos e baratos, e acabam comprando seus óculos ou de seus filhos em locais não apropriados. Este tipo de mercado tem se proliferado e a fiscalização é pouco eficaz. Estima-se que na europa, por exemplo, cerca de 30% dos óculos de sol vendidos anualmente sejam ilegais, e portanto saiam fora do controle de qualidade imposto pela legislação europeia. No Brasil acontece o mesmo problema em escala ainda maior.
Oftalmologistas são claros e possuem a mesma opinião sobre óculos sem proteção adequada: melhor não usá-los! A utilização de lentes que não oferecem proteção adequada é considerada mais perigosa do que simplesmente não usar os óculos de sol. Isso porquê possuímos naturalmente mecanismos de defesa que são inibidos na baixa luminosidade. Quando estamos no escuro, nossa pupila se dilata e facilita a entrada da luz. A mesma coisa acontece quando utilizamos óculos de sol com lentes escuras: nossas pupilas se dilatam, entra mais luz e radiação, e se os óculos não possuírem proteção adequada, danificam mais nossa visão do que se estivéssemos sem óculos.

13- Comprei óculos de sol para meu filho, mas ele insiste em não usar. O que eu faço?

Crianças são agitadas e não param quietas, por isso a utilização de óculos de sol podem causar desconforto e até mesmo acidentes. Quando a criança é pequena e não consegue entender os cuidados necessários na hora de brincar usando óculos, é muito provável que queira tirá-lo rapidamente dos olhos. Antes de ir à praia e à piscina, por exemplo, deixe a criança testar e manusear os óculos, afim de adaptar-se com esse novo objeto. Coloque a criança frente ao espelho para que possa observar-se com e sem os óculos, brincando com a auto imagem.

14- Existe uma marca recomendada na hora de comprar óculos de sol para crianças?

São muitas as marcas existentes no mercado atualmente. É comum a tendência de escolhermos óculos motivados pela estética. Porém, mais importante do que beleza e marca, é a garantia de que na hora da compra optamos por óculos com filtros contra raios ultravioletas (UVA e UVB), certificação de que a gama de radiação nociva será bloqueada, lentes com formato adequado para o sistema ótico do olho e que sejam confortáveis no rosto. Procurem óculos com certificados de qualidade!

15- Quais são as situações especiais em que o uso dos óculos é obrigatória?

Crianças que são operadas por causa de catarata ficam mais expostas e a quantidade de radiação que passa para a retina é maior, exigindo o uso de uma proteção como os óculos solares. Alguns medicamentos img_0736como antibióticos a base de sulfonamidas e tetraciclinas, antidepressivos e antiepiléticos, aumentam a sensibilidade dos tecidos oculares à radiação ultra violeta (UV).

E então, mamães? Gostaram? Eu adorei pesquisar sobre esse tema. E para escrever este artigo eu contei com a ajuda do doutor Augusto Magalhães, responsável pelo Serviço de Oftalmologia do Hospital de São João, em Porto, Portugal. Visitem o site dele.

E visitem também nossa fan page! 🙂

facebook.com/asupermammy

6

Primeiro post do ano: Ser mãe pela quarta vez!

Queridas mamães…

Fevereiro está chegando ao fim e é a primeira vez que sento para escrever um post aqui no blog. Motivos para o atraso? Ser mãe já bastaria, certo? Afinal nossa vida é dividida entre várias vidinhas, e o tempo é um bem valioso para nós … e escasso!

Mas meus motivos são outros, afinal, já estava adaptada a vida de ser mãe de três. Minha agenda estava organizada e a casa já tomava um ritmo gostoso de tardes tranquilas e noites bem dormidas. Então veio a ideia de mudar para uma casa, afinal as crianças queriam muito um quintal. Com a mudança surgiu também a Síndrome de Tietze, me “presenteando” com uma terrível dor no peito que poderia durar de semanas a anos, graças a Deus estou melhor. Como me esquecer da dor do falecido dente do Siso? Impossível. Foi uma extração inevitável. E em meio a esses imprevistos da vida, somado a rotina corrida de uma mãe de três que não pode parar por nada e por dor nenhuma, eis que o resultado deu positivo pela quarta vez.

Sempre quis ser mãe de 4. E quando digo sempre é sempre mesmo. Quando a família e os amigos ficaram sabendo da gravidez as duas frases que mais ouvi além de “meus parabéns” foram:

1. Você sempre disse que queria ter quatro!

2. Como você é corajosa!

🙂 E as duas frases são verdadeiras. Precisa ter coragem para ser mãe nos tempos de hoje. Cuidar, proteger, educar, amar e depois deixar voar nesse mundão gigante… é preciso ter fibra e garra. Toda mãe é a coragem em pessoa.

Já ter quatro filhos, bem essa história mudou depois que meu terceiro parto foi cesária outra vez. Partir para uma quarta cesária nunca fez parte dos meus planos. Então três crianças correndo pela casa estava bom demais.

A história mudou depois dessa surpresa. Surpresinha boa que cresce saudável a cada dia e que em breve estará entre nós. Mas a preocupação com uma quarta cesária ainda está aqui, queridas amigas. Ser mãe de três ou de quatro, de cinco… não me assusta. Educar é uma arte e eu amo essa difícil tarefa de ser mãe. Mas quatro cesárias me assusta. Alguém aí do outro lado já passou por isso? Conhece alguém que passou?

Estou aproveitando cada momento, estou disposta, com energia, as dores diminuíram muito, a fase dos enjoos passou e eu nem senti, a mudança de casa está quase terminando, e agora posso voltar a escrever aqui no blog! 🙂

Então continuem acompanhando… porque conversar sobre filhos e trocar experiências nos engrandece e eu preciso muiiiitttto ainda aprender!

Beijinhos!

Do poeta Kalil Gibran para todas nós:

“Teus filhos não são teus filhos,
são filhos e filhas da vida.

Anelando por si própria,
vem através de ti, mas não de ti.

E embora estejam contigo, a ti não pertencem.

Podes dar-lhes amor mas não teus pensamentos, pois eles têm seus pensamentos próprios.

Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas, pois suas almas residem na casa do amanhã, que não podes visitar se quer em sonhos.

Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procureis fazei-los semelhante a ti, pois a vida não recua, não se retarda no ontem.

Tu és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados. Que a tua inclinação na mão do Arqueiro seja para alegria.”

 

5

Tudo sobre alimentação de bebês! Nutricionista responde as nossas maiores dúvidas.

Quem tem bebê em casa? Eu!! Por mais que seja meu terceiro filho, as dúvidas sempre aparecem na hora de iniciar a fase da alimentação do bebê. Isso porquê é um momento delicado, importante e que gera uma ansiedade enooooorme nas mamães. img_5519
Para me ajudar nesta fase importante do meu bebê, a nutricionista Giovana Bagarollo Rossi respondeu todas as minhas perguntas e dúvidas. Disponibilizo a entrevista aqui para vocês, queridas leitoras e mamães!

1. Quando começar a dar papinha para o bebê e de que forma?
Ao bebê deve ser oferecido apenas o leite materno até os 6 meses de vida. Quando o bebê atingir essa idade, iniciamos com as papinhas, de forma lenta e gradual, mantendo o leite materno até quando a mãe puder (a OMS preconiza até os 2 anos ou mais).
Nessa época dos 6 meses até os 12 meses, a alimentação é COMPLEMENTAR ao leite, e não o substitui. Tudo deve ser feito gradualmente, pois o bebê está se adaptando aos novos sabores e texturas, à colher, à temperatura. São 6 meses para que tudo isso ocorra, até que aos 12 meses a alimentação já está próxima à da família, com apenas algumas adaptações.

2. Uso alho, cebola e azeite para temperar? Existe alguma restrição?
O uso de temperos naturais é recomendado sim, e não há restrição para nenhum deles. Desde cebola e alho, à salsinha, cebolinha, coentro, orégano… Azeite é essencial colocar um fio, para dar sabor e fornecer os nutrientes que este alimento tem. Como o item anterior, tudo é feito de forma gradual, e o tempero precisa ser suave, pois o paladar está sendo moldado. O sal é o mínimo possível, justamente para que o bebê possa experimentar os sabores naturais dos alimentos e se acostumar com menos sal.

3. O que devo pensar na hora de escolher os alimentos da papinha do bebê?
Cada cor representa um nutriente, e assim, um benefício deste alimento para nossa saúde. Portanto, na hora de escolher os alimentos, devo pensar em um prato colorido (vide tabela). Além disso, devo utilizar alimentos que estão no período de safra, pois estes terão mais qualidade e frescor. Alimentos integrais podem e devem ser oferecidos aos bebês (arroz ou pães integrais ou 7 grãos).
Os alimentos devem ser oferecidos preferencialmente “mal” amassados. Não é recomendado o uso de liquidificador ou processador, pois os alimentos ficam muito triturados e com o sabor todo misturado. Ao amassar com o garfo, deixar pedaços menores, para que o bebê sinta a textura e os sabores separados.
As papas desde o início podem conter carne bem desfiada (bovina, frango, peixe) ou o caldo dessas carnes. Ovos somente a gema e bem cozida até os 12 meses.
4. A partir de que idade pode usar mel na papinha de frutas ou nos sucos?
O ideal é que o bebê nem precise de mel, que seja acostumado ao sabor natural das frutas. Pode ser adicionado à papas doces ou sucos apenas após os 12 meses de vida, com cuidado, pois é um alimento muito doce, e como os bebês tem preferência por doces, talvez ele só passe a aceitar frutas com mel, sucos com mel. Assim como o sal, menos é mais nessa fase de construção do paladar.

5. Qual a quantidade de papinha salgada que meu filho deve comer? Quantas vezes ao dia?
Aos 6 meses a alimentação complementar pode ser oferecida 3 vezes ao dia para a criança que recebe leite materno, e 5 vezes ao dia para a criança que estiver desmamada.*IMPORTANTE: O esquema alimentar é para crianças que ainda estão com leite materno. Dependendo da idade que houver o desmame, há outro esquema alimentar, que depende justamente da idade. A nutricionista pode indicar individualmente.
O esquema não tem horários pré definidos inicialmente, pois é livre demanda, assim como a quantidade: dar o volume que o bebê aceitar. Porém, gradualmente (até os 12 meses) ir adaptando horários conforme a alimentação da família.

6. Bebês sentem sede?
Sim, a partir do momento que iniciar a alimentação complementar, devemos iniciar com a água, livre demanda. Antes disso não é necessário, pois o leite materno supre todas as necessidades do bebê, inclusive de água.
Sede é muito pessoal, tem bebês que tomam muita água e tem bebês que não tomam quase nada. Ofereça sempre, e principalmente em épocas mais quentes. Se seu bebê não é muito fã de tomar água, experimente oferecer em diferentes temperaturas e copos, talvez nessas alterações seja possível encontrar uma forma ideal de oferecer água ao seu bebê.

7. Quando devo introduzir sucos no dia a dia do bebê? Em que quantidade?
Sucos podem ser oferecidos nos lanches de frutas, mas não são as melhores opções, devido à total falta de textura. Pode ser oferecido junto com as papas salgadas, porém, com controle da quantidade, senão o bebê pode se satisfazer apenas com o suco (visto que eles preferem o doce ao salgado). Ao acompanhar as refeições, dê preferência ao suco de laranja, pois este contém vitamina C, geralmente são feitos da fruta fresca mesmo em restaurantes, e ajudam na absorção de ferro.

8. Para os pais que são vegetarianos, carnes são importantes para os bebês?
Carnes fornecem ferro de um tipo específico (HEME) e são a única fonte deste ferro. Os vegetais verde-escuros contém ferro também, mas de outro tipo (NÃO HEME). Como somos animais, absorvemos melhor o ferro do tipo heme.
Famílias vegetarianas precisam consumir uma quantidade maior de vegetais verde-escuros justamente para suprir essa necessidade e de preferência, associar ao consumo de suco de laranja, ou a fruta mesmo após a refeição para aumentar a disponibilidade deste nutriente no organismo. Adultos entendem isso, porém, bebês estão formando seu paladar, e dependendo da aceitação desses vegetais, não tem consumo desse nutriente tão importante na quantidade adequada. Os pais vegetarianos que querem que seus filhos também sejam devem avisar ao pediatra e/ou nutricionista e acompanhar de perto o consumo destes alimentos.

9. O que não colocar na papinha?
Açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos, guloseimas em geral e produtos industrializados em geral não devem fazer parte da alimentação dos bebês. Quanto mais tarde o bebê for apresentado a estes alimentos, melhor. O paladar do bebê é um quadro em branco, e podemos pintar como quisermos, e disso depende a alimentação dele no futuro.

10. Quais são as frutas mais indicadas para iniciar esta fase importante na vida do bebê?
Qualquer fruta é indicada. É importante oferecer com diversidade e de acordo com a safra, para garantir alimentos mais frescos. Quanto mais frutas (tipos), mais variado será o paladar do bebê. Geralmente inicia-se com maçã, banana, mamão, pera, melão, melancia, morango…

11. Vamos falar sobre BLW? img_5526
BLW nada mais é que a sigla para BABY LED WEANING, ou seja, deixar o bebê se alimentar sozinho, levando o alimento à boca desde o início da introdução da alimentação.
É uma técnica nova, que iniciou nos Estados Unidos para favorecer a alimentação natural dos bebês. Consiste em oferecer um pedaço adequado para que o bebê consiga segurar sozinho, levar à boca e literalmente se “lambuzar”. Essa técnica garante que dessa forma os bebês são mais estimulados e tem maior interesse pelos alimentos.
Eu acredito ser uma forma muito divertida para os bebês, que são grandes descobridores nessa idade. Podem ser ofertadas desde frutas a legumes cozidos (cenoura em palitinhos, abobrinha).

Uma dica: a alimentação é mais uma descoberta, dentre tantas nessa fase da vida. Deixar o bebê explorar cores, formas, texturas, temperaturas com as mãos, os pés, os olhos, etc… Faz parte! Essa fase de “sujeira” passa rápido. Deixe que isso aconteça em casa, e deixe que seja uma experiência rica, para favorecer uma alimentação bem diversificada na vida adulta.

Gostaram? Eu amei!! Quer conversar com a nutricionista ou fazer uma palestra na sua escola sobre alimentação? Então não deixe de anotar o contato:

Giovana Bagarollo Rossi, CRN 20.393. Nutricionista formada pela Universidade Paulista, pós-graduanda em Nutrição humana aplicada à prática clinica, com tese defendida sobre introdução da alimentação complementar, palestrante para crianças e pais sobre o mundo da nutrição!

giovana.nutri@gmail.com